Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo atira para Outubro revisão das estimativas de crescimento

A haver revisão da previsão do crescimento económico para este ano, só em Outubro. A garantia é do secretário de Estado do Tesouro, Ricardo Mourinho Félix.

ricardo mourinho félix
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 17 de Maio de 2016 às 19:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

O secretário de Estado do Tesouro recusou esta terça-feira uma revisão em baixa da previsão de crescimento económico deste ano, depois do abrandamento do primeiro trimestre, mas admitiu uma reavaliação caso o ritmo do segundo trimestre se mantenha fraco.

 

Na sexta-feira, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,1% no primeiro trimestre deste ano face ao anterior e avançou 0,8% em termos homólogos, o que significa que o crescimento económico abrandou nos primeiros três meses de 2016.

 

"Só com dados do primeiro trimestre não me parece que faça muito sentido estar a rever previsões. Faz sentido, sim, acompanhar os dados de conjuntura e tentar perceber se esta informação do primeiro trimestre continua no segundo ou não e, na altura do Orçamento [para 2017] voltar a olhar então para o cenário macroeconómico e reavaliá-lo nessa altura", afirmou Ricardo Mourinho Félix.

 

O secretário de Estado Adjunto, do Tesouro e das Finanças falava aos jornalistas à margem da apresentação dos resultados da oferta pública de subscrição de Obrigações do Tesouro com Rendimento Variável (OTRV), que decorreu hoje em Lisboa.

 

"Eu acho que também não é correto pegar em dados do primeiro trimestre e tirar daí tendências, extrapolar tendências. Eu acredito que a economia vai acelerar, mas que é necessário que haja aqui um conjunto de medidas, nomeadamente reformas estruturais, que façam aumentar o ritmo de crescimento da economia. A economia está com um crescimento relativamente moderado, mas tem potencial para acelerar", afirmou.

 

Para o governante, fazer revisões com base num trimestre "leva muitas vezes a previsões muito erráticas", o que considerou não ser útil porque "o objectivo de uma previsão é indicar a quem participa dos mercados qual é a tendência da economia". "Ora, se estivermos sistematicamente a rever o que achamos que é a tendência, deixamos de ter uma tendência e passamos a ter algo de errático", concluiu.

 

Ver comentários
Saber mais secretário de Estado do Tesouro INE Produto Interno Bruto Instituto Nacional de Estatística macroeconomia conjuntura Ricardo Mourinho Félix
Mais lidas
Outras Notícias