Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portugal regista excedente orçamental de 0,4% do PIB no primeiro trimestre

O INE divulgou hoje o saldo orçamental relativo ao primeiro trimestre deste ano. A meta de 2019 do Governo é um défice de 0,2% do PIB.

A carregar o vídeo ...
Tiago Varzim tiagovarzim@negocios.pt 24 de Junho de 2019 às 11:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 28
  • ...

O excedente orçamental ficou em 0,4% no primeiro trimestre deste ano, em contabilidade nacional, aquela que interessa a Bruxelas, mostram os dados publicados esta segunda-feira, 24 de junho, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). No primeiro trimestre de 2018, Portugal tinha registado um défice orçamental de 1% do PIB. 

A meta anual do Governo é um défice de 0,2% do PIB, segundo o Programa de Estabilidade 2019-2023. Contudo, uma vez que só decorreram três meses de execução orçamental não é possível estabelecer extrapolações para o conjunto do ano.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) também prevê um défice de 0,2% do PIB. Já as restantes instituições antecipam um défice maior: 0,3% no caso do Conselho das Finanças Públicas (CFP), 0,4% no caso da Comissão Europeia e 0,5% no caso da OCDE.

O excedente orçamental do primeiro trimestre corresponde a 178,5 milhões de euros, o que resulta de uma maior subida das receitas face às despesas. "Face ao trimestre homólogo, no 1º trimestre de 2019 a despesa total e a receita total aumentaram 2,6% e 6,2%, respetivamente", esclarece o INE.

De acordo com a série do INE, esta é a primeira vez - desde que há dados (1995) que há excedente no arranque do ano. O maior saldo num só trimestre foi alcançado no terceiro trimestre de 2018, período que houve um excedente orçamental de 2,8 mil milhões de euros. 

De janeiro a março, a receita corrente aumentou 6,2% ao passo que a receita de capital cresceu 1,9%. Dentro da receita corrente destacam-se os impostos sobre o rendimento e património (incluindo IRS) com um crescimento de 6,3%, os impostos sobre a produção e a importação (incluindo IVA) com 4,4% e ainda as contribuições sociais (5,9%). 

Do lado da despesa, os gastos com prestações sociais aumentaram 2,1% e as despesas com pessoal subiram 5,2%. Os encargos com juros baixaram 5,4% e o consumo intermédio caiu 2,1%. "A despesa de capital aumentou 5,1%, resultante dos acréscimos de 2,9% no investimento e de 13,4% na outra despesa de capital", refere ainda o gabinete de estatísticas. 

Se a análise aos dados do INE for feita a 12 meses, isto é, utilizando o valor do ano terminado em cada trimestre de forma a corrigir os efeitos de sazonalidade, o excedente fica nos 0,1%.

Em contabilidade pública, a execução orçamental registou excedentes nos primeiros três meses do ano. Contudo, em abril voltou novamente a registar défices, mas segundo as Finanças estes resultados estão influenciados por fatores que não contam para a meta de défice em contas nacionais. 

Em comunicado enviado às redações, o Ministério das Finanças anunciou que o ministro da tutela, Mário Centeno, vai reagir aos números às 12h30. 

(Notícia atualizada às 11h33 com mais informação)

Ver comentários
Saber mais Défice contabilidade nacional orçamento orçamento do estado para 2018 contas públicas mário centeno centeno
Mais lidas
Outras Notícias