Em direto Negócios Iniciativas

Assista ao Webinar Prémio Nacional de Agricultura

Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bruxelas diz que basta equilíbrio orçamental em 2020 e pede mais investimento a Portugal

A Comissão Europeia apresentou esta quarta-feira as recomendações específicas por país. As orientações deverão agora ser validadas pelo Conselho e deverão ser seguidas durante os próximos 12 a 18 meses.

Mário Cruz/Lusa
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...
A Comissão Europeia recomendou esta quarta-feira, 5 de junho, que Portugal atinja o equilíbrio orçamental em 2020, em termos estruturais. Além disso, frisou a importância de o país investir na ferrovia e em infraestruturas portuárias, ao mesmo tempo que deve desenvolver a investigação e inovação, bem como a transição para uma economia de baixa utilização de carbono.

As recomendações da Comissão estão a ser apresentadas esta manhã em Bruxelas, pelo comissário para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, e pelo vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis.

No relatório com as recomendações específicas para Portugal, Bruxelas recomenda que o objetivo de médio prazo para as finanças públicas, definido em saldo orçamental zero, seja atingido em 2020. Este objetivo é menos exigente do que o prometido pelo ministro das Finanças português. Mário Centeno diz que terá um saldo orçamental estrutural equilibrado já este ano, e que no próximo atingirá um excedente de 0,3% do PIB.

Além disso, a Comissão renova as recomendações que já tinha feito há um ano e soma uma recomendação na área do investimento – uma novidade introduzida agora para todos os Estados-membros. No âmbito do investimento, a prioridade em Portugal deve ser a investigação, a inovação, os transportes ferroviários e as infraestruturas portuárias, com um foco nas energias de baixo carbono e na necessidade de resolver disparidades regionais. 

"Apesar de ter aumentado em 2018, o investimento público continuou muito baixo comparado com os standards da União Europeia e consistentemente abaixo dos próprios objetivos do Governo", frisa a Comissão, no relatório sobre Portugal.

As recomendações específicas

Há um ano, a Comissão Europeia tinha feito três recomendações fundamentais a Portugal: uma na área das contas públicas, outra no âmbito do mercado de trabalho e uma última sobre a melhoria do ambiente de negócios.

No que toca às contas públicas, a Comissão pediu há um ano a Portugal que garantisse que a taxa de crescimento da despesa primária não superasse os 0,7% em 2019 (o que corresponde a um ajustamento do saldo orçamental estrutural de 0,6 pontos percentuais do PIB). Mas aligeira o esforço pedido para 2020: diz que a despesa primária pode crescer a um ritmo de 1,5% e que o ajustamento estrutural pode avançar a um ritmo de 0,5 pontos percentuais por ano. Ainda assim, diz Bruxelas, há risco de desvios, tanto em 2019, como em 2020.

Já o pedido para usar todas as surpresas positivas em matéria orçamental para reduzir mais depressa a dívida foi renovado, bem como a ênfase dada à necessidade de controlar a despesa e os pagamentos em atraso, sobretudo nos hospitais.

Sobre o mercado de trabalho, a Comissão Europeia tinha pedido há um ano que fosse criado um ambiente mais favorável à contratação sem termo. Agora, Portugal continua a estar entre os países que precisam de dar mais atenção a este ponto. "Polónia, Portugal e Espanha devem enfrentar a elevada percentagem de trabalhadores com contratos temporários, ao mesmo tempo que promovem uma transição para os contratos sem termo", lê-se na comunicação da Comissão.

Bruxelas renova também a recomendação de aumentar as habilitações entre a população adulta, tal como já tinha feito em fevereiro, sugerindo a implementação de medidas para a formação ao longo da vida.

Por fim, volta a sublinhar a importância de melhorar os procedimentos de insolvência e recuperação de empresas, de forma a acelerar a redução do crédito malparado. Também frisa novamente a importância de reduzir a burocracia a que as empresas estão sujeitas, reduzindo as barreiras ao licenciamento em alguns setores específicos de atividade. As profissões reguladas continuam a precisar de estar sujeitas a menos restrições e os tribunais fiscais e administrativos também precisam de ser mais eficientes, para que os processos demorem menos tempo.

(Notícia atualizada às 12h17)

Ver comentários
Saber mais Semestre europeu Recomendações da Comissão Europeia Comissão Europeia Ministro das Finanças Défice Dívida Despesa Moscovici Centeno
Mais lidas
Outras Notícias