Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bruxelas quer acabar com competição fiscal na UE e taxar plataformas digitais

A Comissão Europeia revelou o plano de ação para uma taxação justa na UE. Visa evitar a evasão fiscal observada no mundo das plataformas digitais e assegurar uma "tributação mínima efetiva" que acabe com a competição fiscal entre Estados-membros.

A equipa sob alçada de Dombrovskis e de Gentiloni ainda não contabilizou o impacto da covid-19 em Portugal.
Olivier Hoslet/EPA
David Santiago dsantiago@negocios.pt 15 de Julho de 2020 às 13:02
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

As fragilidades ainda existentes no funcionamento do mercado único europeu expostas pela pandemia e a necessidade de financiar o relançamento económico da União Europeia levaram Bruxelas à apresentação de um plano de ação através do qual a Comissão Europeia pretende garantir uma taxação justa e evitar práticas injustas de competição entre Estados-membros. 

O pacote de medidas para uma "tributação justa" visa "contribuir para a retoma e o crescimento da Europa" e "assenta em dois pilares: justiça e simplicidade", refere a Comissão em comunicado"Agora, mais do que nunca, os Estados-membros precisam de receitas fiscais para investir nas pessoas e nas empresas que delas mais necessitam", declarou Valdis Dombrovskis, vice-presidente executivo da Comissão Europeia.

Os objetivos enunciados passam por "fomentar a justiça fiscal, intensificando a luta contra os abusos fiscais, combatendo a concorrência fiscal desleal e aumentando a transparência no domínio da tributação", sendo atribuída particular relevância à necessidade de "simplificação das regras e dos procedimentos fiscais, a fim de melhorar o enquadramento para as empresas em toda a UE". Isto deve ser conseguido através da eliminação dos "obstáculos fiscais e encargos administrativos que recaem sobre os contribuintes nos setores mais diversos".

O pacote apresentado divide-se em três pilares, sendo o primeiro um plano de ação que contempla 25 medidas, com um calendário de implementação que vai até 2024, para promoção de uma "tributação mais simples, mais justa e mais adequada à economia moderna".

O segundo consiste numa "proposta relativa à cooperação administrativa" que visa estender "as normas da UE em matéria de transparência fiscal às plataformas digitais, para que estas últimas paguem igualmente uma quota-parte justa de impostos sobre os lucros realizados".

Por fim, o terceiro e último pilar consiste na "comunicação sobre a boa governação fiscal" e pretende "promover a tributação justa e reprimir a concorrência fiscal desleal, tanto na UE como a nível internacional".

Tributação Mínima Efetiva
Para acabar com as distorções ao mercado único causadas pela existência de regimes fiscais mais atrativos na UE (como são exemplo a Irlanda e a Holanda) face a outros Estados-membros, o comissário para a Economia, Paolo Gentiloni, revelou, em conferência de imprensa realizada ao final da manhã, que a Comissão acredita que "uma tributação mínima efetiva deve ser introduzida como parâmetro para garantir que não há competição fiscal injusta entre jurisdições, dentro e fora da UE". O italiano notou que "a discussão dos Estados-membros sobre esta proposta será muito, muito importante". 

"Na Comissão não consideramos normal que as maiores empresas estejam a escapar pagando 1% de impostos, no máximo, e, em muitos casos, menos do que isso sobre os seus lucros europeus. Não é sustentável do ponto de vista da justiça fiscal, nem do ponto de vista das receitas públicas. Isto tem de ser tratado e a Comissão está determinada em fazê-lo", acrescentou o letão Dombrovskis. 

A apresentação deste pacote para uma política fiscal mais justa e eficiente na UE aconteceu no mesmo dia em que a justiça comunitária deu razão à Apple no processo em que havia sido multada pela Comissão em 13 mil milhões de euros por alegados benefícios fiscais recebidos do Estado irlandês. Mas apesar da decisão, Dombrovskis assegurou, a exemplo do que fez também Gentiloni, que "esta decisão fiscal não vai mudar a determinação da Comissão".

Antes, Margreth Vestager, vice-presidente executiva da Comissão e responsável pela pasta da Concorrência, havia já garantido o comprometimento de Bruxelas em combater as práticas de ajudas de Estado ilegais de modo a garantir o pagamento justo de impostos pelas empresas.

"A transparência fiscal tem de cobrir o mundo digital", sustentou ainda o comissário Gentiloni que prometeu, para o próximo outono, a apresentação de um plano subsequente de "tributação empresarial para o século XXI" que terá como objetivo central "responder aos desafios da economia digital e assegurar que as empresas pagam uma quota-parte justa de impostos". Com efeito, a Comissão propõe desde já uma "reforma do Código de Conduta que incide sobre a concorrência fiscal e visa combater as práticas fiscais prejudiciais no território da UE".

Troca automática de informações 
Para diminuir a burocracia e tornar mais eficaz o combate à evasão fiscal, no âmbito do segundo pilar acima identificado a Comissão pretende que "os Estados-Membros procedam ao intercâmbio automático de informações sobre as receitas geradas pelos vendedores nas plataformas em linha". 

Nesse sentido, Bruxelas irá também fazer propostas destinadas a "simplificar as regras do IVA e a adaptá-las à digitalização", desde logo para evitar situações de dupla e tripla tributação, explicou Gentiloni, garantindo que os Estados-membros "terão as ferramentas [necessárias] para fazer estas trocas de informação automáticas.

A Comissão Europeia propõe-se ainda incrementar esforços contra os paraísos fiscais, desde logo impedindo o acesso a apoios europeus a todas as empresas com operações numa das jurisdições que constem da lista negra de offshores da UE.

O futuro regime fiscal comunitário deverá ainda estar alinhado com as metas previstas no Green Deal (Pacto Ecológico Europeu), prevendo-se medidas para uma "fiscalidade mais justa, mais ecológica e mais adequada à economia moderna, contribuindo assim para um crescimento sustentável e inclusivo a longo prazo.

Durante o primeiro semestre de 2021, Bruxelas quer desenhar uma "revisão das regras ultrapassadas da UE sobre tributação energética", a começar pela "remoção dos subsídios implícitos aos combustíveis fósseis", adiantou Gentiloni. Recentemente, um consórcio de jornalistas europeus noticiou que, apesar de ter definido objetivos ambiciosos como o de atingir a neutralidade carbónica até 2050, a UE continua a subsidiar e a atribuir benefícios ao consumo de combustíveis fósseis.


(Notícia atualizada)

Ver comentários
Saber mais UE Comissão Europeia Paolo Gentiloni Valdis Dombrovskis Plano de Ação Fiscal Impostos Paraísos Fiscais Plataformas Tecnológicas
Mais lidas
Outras Notícias