Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bullard defende aumento de 0,25 pontos percentuais dos juros da Fed em todas as reuniões até julho

Na reunião do mês passado, o presidente da Fed, Jerome Powell, aludiu à possibilidade de sete aumentos dos juros diretores este ano, de modo a conter a forte subida da inflação.

Bloomberg
Carla Pedro cpedro@negocios.pt 10 de Fevereiro de 2022 às 18:40
  • Partilhar artigo
  • 8
  • ...

O presidente da Fed de St. Louis, James Bullard, disse esta quinta-feira que privilegia um aumento dos juros diretores da Reserva Federal norte-americana em um ponto percentual até 1 de julho. Ou seja, um aumento de 25 pontos base nas reuniões de março, maio, junho e julho.

 

Esta posição vai ao encontro do que declarou o presidente do banco central, Jerome Powell, no final da última reunião de política monetária da Fed, que decorreu nos dias 25 e 26 de janeiro.

 

Nessa altura, Powell afirmou que não havia ainda um calendário delineado para a subida dos juros, mas surpreendeu ao dizer que não descartava um aumento das taxas em todas as reuniões do Comité Federal do Mercado Aberto (FOMC), o que foi uma reviravolta face a tudo o que tinha sido sinalizado até então.

 

Até ao final do ano, o FOMC tem mais sete reuniões: em março, maio, junho, julho, setembro, novembro e dezembro. Quer isso dizer que a Fed poderá subir os juros sete vezes este ano.

 

Com os dados da inflação de janeiro nos EUA a ficarem acima do esperado, e em máximos de 1982, os mercados estão cada vez mais a contar com um endurecimento mais agressivo da política monetária da Fed, o que está hoje a fazer subir o dólar e os juros da dívida soberana e a quebrar as bolsas.

Powell afirmou, na sua conferência de imprensa do mês passado, que a Reserva Federal tem em mente subir os juros já em março, indo assim ao encontro do que tem sido antecipado. O presidente da Fed sublinhou a a inflação irá descer ao longo do ano mas que, para já, os riscos inflacionistas estão ainda com uma tendência ascendente. E os dados de hoje comprovam isso mesmo.

 

O presidente da Fed sinalizou que as subidas dos juros poderão assim concretizar-se mais cedo e mais rapidamente do que o recente ritmo de aumentos mais acelerado da história – que se verificou em 2015, quando as subidas ocorreram "reunião sim, reunião não".

 

"Sabemos que a economia está numa situação diferente de quando começámos a subir as taxas de juro em 2015", disse. "Mais especificamente, a economia está agora muito mais sólida, o mercado laboral está muito mais robusto e a inflação está bastante acima da nossa meta de 2% - num valor muito mais elevado do que em 2015. E é provável que estas diferenças tenham implicações substanciais no ritmo adequado para os ajustes da política monetária", acrescentou.



Ver comentários
Saber mais James Bullard Fed Reserva Federal Jerome Powell FOMC
Outras Notícias