Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Centeno: Nova orientação do BCE tem de mostrar que há margem de manobra na inflação

O Banco Central Europeu (BCE) tem de destacar a "margem de manobra" que deu a si mesmo em relação à inflação, quando actualizar a sua orientação futura na próxima semana, ou corre o risco de perder credibilidade, diz Mário Centeno à Reuters.

O BCE não se deve “esconder atrás de mandatos limitados”, diz Mário Centeno, governador do Banco de Portugal.
Pedro Nunes/Reuters.
Negócios jng@negocios.pt 13 de Julho de 2021 às 18:10
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

O BCE deve anunciar na sua reunião de 22 de Julho a orientação futura ('forward guidance') das próximas etapas da sua política – isto para refletir a sua nova estratégia, anunciada no passado dia 8, de ter como meta a inflação de 2% no médio prazo - em vez de "abaixo, mas perto de 2%", conforme definido anteriormente.

 

Em entrevista à Reuters, Mário Centeno, governador do Banco de Portugal e membro do Conselho do BCE, salienta que "numa altura em que estamos a rever a estratégia, alargando o leeway (liberdade de acção) das trajectórias de inflação que são admissíveis, é importantíssimo que a 'forward guidance' esteja adaptada a este novo enquadramento, caso contrário perderia credibilidade".


Centeno sublinha, nesta entrevista, que a autoridade monetária europeia tem agora "maior margem de manobra do que antes", depois de criar graus de liberdade na política monetária, especialmente no contexto de taxas de juro extremamente baixas. 

O governador do BdP adverte que o facto de a nova meta para a inflação ser simétrica significa que "desvios positivos ou negativos são igualmente indesejáveis". Ainda assim, "a estratégia admite uma inflação temporariamente e de forma moderada com valores acima de 2%", pelo que "devemos ser pacientes e tolerantes com desvios que não toleraríamos anteriormente", considera.

 

O objectivo da estratégia, refere Centeno à Reuters, é ver sinais permanentes de inflação a convergir para 2%, tomando medidas "contundentes e persistentes" sempre que ela for muito baixa.

 

Centeno referiu que as principais causas do aumento da inflação na Zona Euro "são eminentemente temporárias" e estão ligadas à reversão de uma redução do imposto sobre o valor acrescentado na Alemanha, recuperação dos preços do petróleo e dificuldades nas cadeias de abastecimento globais.

 

"A expectativa é que esses factores, que irão fazer subir temporariamente a inflação em 2021, não permaneçam e, tanto é assim, que a nossa previsão para 2023 é de 1,4%, significativamente abaixo dos 2%", afirmou à agência noticiosa.

 

Com a vacinação contra o COVID-19 a dar frutos e a economia a reagir melhor às sucessivas vagas da pandemia, a recuperação no médio prazo não está em jogo, mas há "uma enorme incerteza sobre a evolução no curto prazo", principalmente nos sectores de serviços duramente atingidos, como o turismo", salientou.

 

Centeno disse que o BCE deve ser cauteloso ao remover as medidas de apoio, uma vez que as insolvências e o desemprego tendem a aumentar nos estágios finais da recuperação económica, quando se dá a realocação de recursos.

 

Adiantou ainda que o Programa de Compras de Emergência Pandémica do BCE "prevê compras líquidas até Março de 2022 e então, pelo menos até o final de 2023, haverá uma fase de reinvestimento". "E não está tomada a decisão de quando é que passamos do reinvestimento para o desinvestimento", disse.

 

Quanto ao Programa de Compra de Activos (APP), lançado em 2014, afirmou que "há expectativa de durabilidade".

Ver comentários
Saber mais Mário Centeno Conselho de Governadores do BCE política
Outras Notícias