Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bloco exige que o Governo vote contra distribuição de dividendos na Galp

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, pretende que o Governo use a sua participação na petrolífera para votar contra o pagamento de dividendos referentes a 2019 e para defender a reintegração dos precários já despedidos pela cotada.

Lusa
David Santiago dsantiago@negocios.pt 13 de Abril de 2020 às 17:14
  • Assine já 1€/1 mês
  • 26
  • ...
O Bloco de Esquerda quer que o Governo vote contra, em sede de assembleia geral, a distribuição de dividendos pela Galp Energia e que pressione a empresa no sentido da reintegração dos trabalhadores precários despedidos durante a crise sanitária causada pela pandemia do novo coronavírus.

De acordo com um artigo de opinião assinado pela coordenadora do Bloco, Catarina Martins, a que o Negócios teve acesso prévio e que será publicado no site "esquerda.net", a líder bloquista desafia o Governo chefiado por António Costa a votar contra o pagamento de dividendos na reunião de acionistas que a cotada realiza no próximo dia 24 de abril.

No último dia de março, e quando já se avolumava a pressão para que as maiores empresas não distribuíssem dividendos relativos ao exercício financeiro do ano passado, a Galp anunciou que iria manter a proposta de remuneração acionista referente a 2019 - 70 cêntimos por ação, o equivalente a mais de 300 milhões de euros -, comprometendo-se a reavaliar o pagamento de dividendos nos próximos anos. 

Catarina Martins lamenta que a proposta bloquista que visava proibir o pagamento de dividendos neste contexto de crise tenha sido chumbada por PS, PSD e restantes forças da direita parlamentar para defender que se tratou de "um erro que deve ser corrigido".

"E pode começar a ser corrigido já, na Galp", garante a líder do Bloco, recordando que apesar de o Estado não deter o controlo acionista da empresa liderada por Carlos Gomes da Silva, "estará na assembleia geral que decide sobre a distribuição de dividendos". O Estado português detém 7,48% do capital social da petrolífera, através da Parpública.

A coordenadora do BE pretende ainda que o Executivo socialista utilize a posição na estrutura acionista da Galp para defender a reintegração dos trabalhadores precários entretanto despedidos pela empresa: "O que se exige é que o Governo dê instruções claras aos seus representantes para votarem contra a distribuição de dividendos. E, já agora, que defendam a reintegração dos trabalhadores precários despedidos".

O artigo de opinião firmado por Catarina Martins salienta que, só em abril, a Galp "já despediu mais de 80 trabalhadores precários, só em Sines, segundo denúncia do sindicato do setor", e conclui tratar-se da mesma empresa que agora se propõe distribuir mais de 300 milhões de euros pelos acionistas. 

"A decisão sobre a distribuição de dividendos não é pouco importante. Marca a resposta à crise. Porque se é certo que há sacrifícios, é inaceitável que os trabalhadores paguem para os acionistas lucrarem com a crise", conclui a coordenadora do Bloco. 

Já depois de garantir a manutenção da proposta relacionada com a distribuição de dividendos, a Galp Energia anunciou que, tendo em conta a "queda acentuada de procura e dos preços dos produtos petrolíferos", vai encetar um plano de ajustamento estratégico aos efeitos da pandemia assente num plano de corte anual de despesas e investimento operacional superior a 500 milhões de euros, em 2020 e 2021.

(Notícia atualizada)

Ver comentários
Saber mais Governo Bloco de Esquerda Galp Energia Dividendos Precários
Mais lidas
Outras Notícias