Política Costa diz que as suas declarações sobre os incêndios "foram descontextualizadas e deturpadas"

Costa diz que as suas declarações sobre os incêndios "foram descontextualizadas e deturpadas"

O gabinete do primeiro-ministro considerou hoje que "foram descontextualizas e deturpadas" as declarações feitas por António Costa na quarta-feira sobre a operação de combate aos incêndios.
Costa diz que as suas declarações sobre os incêndios "foram descontextualizadas e deturpadas"
Cofina Media
Negócios 09 de agosto de 2018 às 21:30

Numa nota enviada às redacções e assinada pela assessoria de imprensa do primeiro-ministro é ainda anexada uma transcrição das referidas declarações, proferidas no final de um balanço da resposta operacional e das medidas adoptadas pelas várias entidades na sequência da onda de calor registada nos últimos dias.

 

"Foram descontextualizadas e deturpadas as declarações que o primeiro-ministro proferiu ontem, 08 agosto, na Autoridade Nacional da Protecção Civil", refere.

 

A mesma nota justifica que o incêndio de Monchique "é a excepção que confirma a regra do que aconteceu no conjunto do país".

 

"O primeiro-ministro sublinhou que, perante uma situação climatérica que o IPMA classificou de 'situação excepcional de calor que nunca tinha sido observada no país, em que dia 04 de agosto foi o mais quente do século e todos os recordes foram batidos', foram registadas 582 ignições nestes cinco dias mais críticos, destas 582 ignições só foram registados 26 incêndios e desses apenas um, o de Monchique, teve esta dimensão. Ou seja, este, obviamente, é uma excepção", lê-se.

 

António Costa avisou na terça-feira que o incêndio de Monchique iria continuar a lavrar nos próximos dias, considerando que esta excepção no país "confirmou a regra do sucesso da operação ao longo de todos estes dias".

 

No texto do gabinete acrescenta-se ainda que o chefe do Executivo "não só não procurou desdramatizar ou desvalorizar a gravidade da situação em Monchique como disse, pelo contrário, que a situação era alarmante e ia agravar-se", transcrevendo entre aspas a citação de Costa que sustenta esta afirmação.

 

"E também é falso que as palavras do primeiro-ministro tenham sido para elogiar as políticas de prevenção promovidas pelo Governo. O primeiro-ministro elogiou, sim, todos os portugueses, pelo esforço de limpeza feito ao longo do ano e pela contenção de comportamentos de risco. As primeiras palavras foram, aliás, dirigidas às populações, em segundo lugar aos agentes de protecção civil e em terceiro lugar aos autarcas, nunca se tendo referido à actuação do Governo", recorda.

 

No final da nota é ainda sublinhado que António Costa disse ser "cedo para fazer quaisquer balanços dos incêndios, porque o verão começou tardio e também de forma atípica, e que o que é absolutamente prioritário é assegurar a protecção da vida das pessoas", tendo ainda deixado "uma palavra de solidariedade para com as pessoas afectadas com os incêndios".




pub