Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

António Costa quer "posição coordenada" na UE para a vacina da AstraZeneca

O primeiro-ministro acredita que as decisões devem ser tomadas pelos técnicos acreditados e não "por primeiros-ministros que não percebem nada de vacinas". A posição deve ser conhecida ao final do dia.

O primeiro-ministro português não valoriza posições como as tomadas pela Alemanha Miguel A. Lopes
João Ruas Marques 07 de Abril de 2021 às 16:52
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
O primeiro-ministro António Costa apelou esta quarta-feira à tarde a uma "posição coordenada" entre os estados-membros da União Europeia no que toca à recomendações sobre a vacina da AstraZeneca.

Também esta quarta-feira, poucos minutos antes, a Agência Europeia do Medicamento (EMA) divulgou o seu parecer sobre as relações entre os casos de tromboembolismo relatados e a vacinação com a fórmula da AstraZeneca. Para a EMA, os casos relatados não deverão impactar a distribuição e administração da vacina, uma vez que não foi possível confirmar uma relação entre "fatores de risco específicos, tais como a idade, género ou historial médico de coágulos, já que os eventos foram relatados entre todas as idades, homens ou mulheres".

Perante o parecer da EMA, António Costa manifestou interesse numa posição alinhada entre os estados-membros no que toca às recomendações da vacina. Na Alemanha, por exemplo, a vacina não é administrada a pessoas com menos de 60 anos. Uma situação semelhante decorre no Canadá, onde a vacina não é administrada a ninguém com menos de 55 anos. Enquanto isso, no Reino Unido debate-se a hipótese de não aplicar a pessoas com menos de 30 anos.

Para António Costa, "é fundamental que haja uma ação coordenada ao nível da UE, porque já ouvimos as mais diferentes sugestões de recomendações". O primeiro-ministro, que já tomou uma dose, acredita que o importante é "que os técnicos tenham uma posição clara e compreensível, que dê tranquilidade face ao processo de vacinação", mas que uma decisão como esta "não pode ser tomada por um primeiro-ministro que não percebe nada de vacinas, e deve ser feita por técnicos competentes".

Para isso, e para que os estados-membros tomem uma decisão unificada - adiantou António Costa -, foi convocada, também para esta quarta-feira, uma reunião de emergência entre ministros da saúde, que começa às 17h. Marta Temido deve falar com aos jornalistas pouco depois do final da mesma.
Ver comentários
Saber mais António Costa Vacinas AstraZeneca
Outras Notícias