Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Empresas vão receber 84,5 euros por trabalhador pelo aumento do salário mínimo

O encargo com a TSU que as empresas têm por causa do salário mínimo será reembolsado em 84%, por via de um pagamento direto. Ao todo serão 60 milhões em 2021, o único ano em que a medida se aplicará, adiantou Siza Vieira em entrevista ao Público. Quanto ao fim das moratórias, o ministro garante apoio para grupos de risco.

António Cotrim
Negócios jng@negocios.pt 06 de Maio de 2021 às 09:02
  • Assine já 1€/1 mês
  • 10
  • ...

O Estado vai pagar às empresas 84,5 euros por cada trabalhador que estivesse a receber salário mínimo a 31 de dezembro de 2020 e que ainda se mantenha nos quadros, adiantou, em entrevista ao Público e à Rádio Renascença o ministro da Economia e Transição Digital. Contas feitas é cerca de 84% do aumento do encargo com a TSU decorrente do aumento do SMN em 2021. Já para os trabalhadores que a 31 de dezembro auferiam mais do que o salário mínimo mas menos do que o novo valor do aumento do SMN, o apoio consiste em metade daquele valor, 42,3 euros, concretizou Pedro Siza Vieira.

 

A ideia é que o pagamento seja feito diretamente às empresas e custará cerca de 60 milhões de euros aos cofres do Estado, antecipa o ministro, que considera que esta deve ser uma medida de exceção, não devendo passar a ser a regra sempre que há um aumento do salário mínimo. Ou seja, será só para 2021.  

 

Sobre o problema das moratórias de crédito, e do que fazer quando o prazo atual chegar ao fim, Siza Vieira recusa que estejamos perante uma "bomba relógio", mas explica que para as empresas que sofreram mais o impacto da crise, como o comércio, turismo, restauração, em alguns segmentos da atividade industrial como o vestuário, "é conveniente darmos mais tempo, espalharmos a amortização da dívida por mais anos, sermos capazes eventualmente de dar algum período de carência durante os primeiros tempos, dois, três anos".

 

O Governo, diz, "está disponível, caso os bancos acordem com os seus clientes essas reestruturações, para garantir uma parte dessa dívida, para cobrir algum risco" via Banco de Fomento.

Ver comentários
Saber mais SMN Público Rádio Renascença TSU Pedro Siza Vieira economia negócios e finanças
Outras Notícias