Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Costa: Se auditoria concluir má gestão no Novo Banco, Fundo de Resolução pode pedir reembolso

Se a auditoria ao Novo Banco concluir que houve má gestão, o Fundo de Resolução "tem toda a legitimidade" para pedir um reembolso, defendeu o primeiro-ministro. Empréstimos do Estado já renderam 500 milhões de euros em juros.

António Cotrim
Susana Paula susanapaula@negocios.pt 20 de Maio de 2020 às 16:35
  • Assine já 1€/1 mês
  • 21
  • ...
O primeiro-ministro defendeu nesta quarta-feira que se a auditoria ao Novo Banco concluir que houve má gestão, o Fundo de Resolução "tem toda a legitimidade" para pedir a devolução do dinheiro. 

"Se a auditoria concluir que houve má gestão, o Fundo tem toda a legitimidade para agir no sentido da recuperação do dinheiro que desembolsou e que não tinha de desembolsar", afirmou António Costa, nesta quarta-feira, 20 de maio.

O primeiro-ministro respondia à coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, que criticou o Governo por injetar dinheiro antes de ter a auditoria. "Como é que uma auditoria que era indispensável é agora dispensável? E os resultados da auditoria terão consequências?", questionou.

"Se o Novo Banco tiver sido mal gerido, vamos lá buscar o dinheiro?", interrogou a deputada bloquista.

Na resposta, o primeiro-ministro disse ainda que "sendo o fundo financiado pelos outros bancos, acredito que esses não estejam propriamente disponíveis para financiar a má gestão do Novo Banco".

No que diz respeito ao Governo, o papel que tem aqui não é injetar dinheiro no Novo Banco, mas emprestar dinheiro ao Fundo de Resolução. "Se e esse dinheiro injetado no Novo Banco foi mal injetado, com certeza que o Fundo terá de retirar daí as necessárias ilações", afirmou António Costa.

Segundo o chefe de Governo, das injeções feitas no Novo Banco 32% foram feitas através do empréstimo do Estado, 13% das contribuições do banco e 55% de investimentos privados. 

Além disso, disse Costa, o Estado já recebeu do Fundo de Resolução cerca de 500 milhões de euros em pagamento de juros, pelos montantes emprestado.

O primeiro-ministro respondia ao líder do PSD, Rui Rio, que afirmou que a "fatura em impostos com o Novo Banco são 7 mil milhões de euros" e criticou que a justiça não tenha conseguido julgar ou punir os responsáveis "pelo maior crime de colarinho branco em Portugal".

Ver comentários
Saber mais Novo Banco Fundo de Resolução António Costa Governo Estado política economia negócios e finanças partidos e movimentos economia (geral) parlamento orçamento do estado e impostos
Outras Notícias