Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fundo de Pensões do BCP reduz na EDP e deixa elétrica sem accionistas portugueses de referência

O banco liderado por Miguel Maya reforçou o número de ações detidas na EDP no aumento de capital da elétrica, mas abaixo da proporção que detinha, passando a deter menos de 2%.

Ricardo Almeida
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
A EDP deixou de ter acionistas de referência portugueses após o aumento de capital de mil milhões de euros. Isto porque o BCP participou na operação mas numa proporção inferior à sua posição no capital da elétrica, passando a controlar menos de 2% das ações da EDP.

O banco liderado por Miguel Maya detinha 2,07% do capital da elétrica antes do aumento de capital, necessitando de investir 21 milhões de euros para manter a participação.

Agora, em comunicado à CMVM, a EDP informa que o BCP, nomeadamente através do Fundo de Pensões do Grupo BCP, reforçou o número de ações detidas, mas viu a sua participação na elétrica cair abaixo da fasquia dos 2%.

A EDP refere ter sido informada pelo Grupo BCP que este "aumentou a sua participação de 74.809.019 para 76.627.022 acções, no seguimento do aumento de capital social da EDP. No entanto, a sua participação no capital social da EDP e respectivos direitos de voto diminuíram de 2,046% para 1,932%".

Desta forma, "o Grupo Banco Comercial Português reduziu a sua participação no capital social e direitos de voto da EDP abaixo do limite de 2% no dia 12 de Agosto de 2020, no seguimento da liquidação financeira do aumento de capital social da EDP".
Ver comentários
Saber mais Fundo de Pensões do Grupo BCP EDP bolsa aumento de capital BCP participação qualificada
Outras Notícias