Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Boeing multada em 200 milhões de dólares por enganar investidores sobre segurança

Antigo CEO da empresa, Dennis Muilenburg, também vai pagar um milhão de dólares. Empresa concordou em pagar a multa depois de ter sido acusada pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos de prestar falsas declarações sobre a segurança do 737 Max, depois de terem ocorrido dois acidentes com aeronaves deste modelo que mataram mais de 300 pessoas.

Reuters
Negócios jng@negocios.pt 23 de Setembro de 2022 às 13:17
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...

A fabricante de aviões norte-americana Boeing e o seu antigo presidente executivo, Dennis Muilenburg, foram multados em 200 milhões de dólares depois de a empresa ter sido acusada pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos de prestar falsas declarações sobre a segurança do modelo 737 Max. Declarações que foram feitas depois de terem ocorrido dois acidentes com estas aeronaves que mataram mais de 300 pessoas.


De acordo com o Financial Times, tanto a empresa como o antigo CEO concordaram em pagar a multa para acabar com o processo em que é acusada de enganar investidores sobre a segurança deste modelo de avião. Muilenburg vai pagar um milhão de dólares, sendo que nem a Boeing e nem o antigo CEO admitiram ou negaram as descobertas da reguladora.


Em causa estão dois acidentes ocorridos, um em 2018 na costa da Indonésia, com a Lion Air, e outro em 2019 na Etiópia, com a Ethiopian Airlines. No total, os dois acidentes mataram 346 pessoas.


Na altura, a Boeing atribuiu a causa dos acidentes a erros dos pilotos e a falhas na manutenção das aeronaves.


Mais tarde, descobriu-se que a Boeing enganou reguladores e pilotos sobre o novo sistema, ao tentar obter a aprovação da Administração Federal de Aviação. Segundo as investigações, as quedas das aeronaves, ambas do modelo 737 Max, foram provocadas por uma falha no software de voo MCAS e este modelo de aeronave foi obrigado a ficar sem operar durante 20 meses em todo o mundo.


"Depois do primeiro acidente, Boeing e Muilenburg sabiam que o MCAS era um problema de segurança, mas garantiram ao público que o 737 Max era 'tão seguro quanto qualquer aeronave que já voou'", lembrou a Comissão, em comunicado. "Após o segundo acidente, Boeing e Muilenburg garantiram ao público que não havia erros ou brechas no processo de certificação do MCAS, apesar de relatos em contrário", sublinhou a reguladora.

Ver comentários
Saber mais aviões aeronaves Boeing multada segurança acidentes 737 Max
Outras Notícias