Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portugal vai perder 9 mil milhões de euros sem um novo aeroporto em Lisboa

As contas são feitas pela consultora EY, num estudo encomendado pela Confederação do Turismo de Portugal.

Aeroflot, Skyup e Wizz Air viram cancelados voos para Lisboa.
Mariline Alves
Ana Petronilho anapetronilho@negocios.pt 14 de Julho de 2022 às 10:56
  • Partilhar artigo
  • 17
  • ...
Até 2027, o país vai perder 9 mil milhões de euros sem um novo aeroporto em Lisboa, no cenário mais otimista.

Este número resulta de 6,8 mil milhões de euros em riqueza que seria gerada com um novo aeroporto em Lisboa. A somar ficam perdidos, em média, 27,7 mil empregos que seriam criados todos os anos.

Há ainda uma perda de receita fiscal, que ascende a 1,9 mil milhões de euros.

Estes são alguns dos cálculos apresentados pelo estudo que analisa o adiamento do novo aeroporto, realizado pela consultora EY, para a Confederação do Turismo de Portugal.

Contas feitas, as perdas podem ascender a 0,77% do PIB e a 0,95% no emprego nacional, "neste cenário de decisão adiada e recuperação rápida", ou seja, caso o novo aeroporto entrasse em funcionamento até 2027.

Mas os cálculos da EY agravam caso o novo aeroporto em Alcochete só entre em funcionamento em 2034, sem recorrer ao Montijo.

Nesse cenário as perdas em riqueza gerada ultrapassam os 21,4 mil milhões de euros, a que se somam seis mil milhões de receita fiscal perdida e 40 mil empregos anuais que deixam de ser criados.  

"Já não nos livramos de perder 6,8 mil milhões no cenário melhor, disto já não nos livramos", lamentou o presidente da CTP, frisando que esta perda resulta do recuo da medida anunciada pelo ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos.


"Os números são estes e este é o custo de uma não decisão, seja ela qual for", frisa o presidente da Confederação de Turismo, Francisco Calheiros, acrescentando que "tem que haver uma decisão o mais rápido possível. É inaceitável que se discuta o novo aeroporto há 53 anos, não podemos adiar mais esta decisão importante para o país, que não é rico". 

Além disso, lembra o patrão do turismo, Portugal "foi o país, de toda a Europa, que recuperou mais rapidamente os níveis de turismo pré-pandémicos". E hoje, o setor "é responsável por 60% do nosso crescimento". E em 2019, "55% dos turistas estrangeiros que visitaram Portugal chegaram via aeroporto de Lisboa", lê-se no estudo.

Nesse ano, o aeroporto movimentou 31,2 milhões de passageiros, perto do limite da capacidade da infraestrutura, e o estudo da YE prevê que num cenário de recuperação acelerada seja ultrapassado em 2023 o número de passageiros registados em 2019.   

Francisco Calheiros disse ainda que o estudo foi apresentado esta semana ao Governo, ao Presidente da República e ao PSD, a quem apela "que tenha consciência do que está em cima da mesa".


Para chegar a estes valores, o estudo considerou "impactos económicos resultantes das despesas realizadas em território nacional por turistas estrangeiros movimentados pelo Aeroporto de Lisboa, acrescidos dos impactos económicos associados às atividades aeroportuárias localizadas no Aeroporto Humberto Delgado".

Ver comentários
Saber mais Portugal Lisboa economia negócios e finanças construção e obras públicas macroeconomia conjuntura
Outras Notícias