Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Um terço das rotas aéreas globais desapareceu devido à covid-19

Antes do coronavírus, um ‘boom’ da aviação que durou décadas gerou uma rede de quase 50 mil rotas aéreas que cruzavam o mundo. Em menos de um ano, a pandemia varreu quase um terço delas do mapa.

Bloomberg
Bloomberg 21 de Novembro de 2020 às 17:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Encerramentos de fronteiras, restrições de mobilidade nacionais e o medo de apanhar covid-19 de outros passageiros afetaram as viagens comerciais. À medida que milhares de ligações internas e internacionais desaparecem completamente dos horários das companhias aéreas, o mundo de repente parou de encolher.

A crise tem desfeito uma vasta reformulação social e industrial que ocorreu durante meio século de proliferação das viagens aéreas. Nos próximos anos, viagens de negócios e férias no estrangeiro significarão provavelmente mais escalas em aeroportos, tempos de viagem mais longos e talvez um meio de transporte adicional. Mesmo quando for encontrada uma vacina eficaz, a realidade económica da recuperação pode significar que alguns voos diretos tenham desaparecido para sempre.



Com as fronteiras fechadas da Europa à Nova Zelândia, a maior parte das rotas canceladas do mundo são inevitavelmente transfronteiriças. Mas milhares de rotas internas também foram cortadas, refletindo a pressão que as companhias aéreas enfrentam enquanto fazem despedimentos e aterram aviões para encontrar uma base de custo que reflita a redução das operações.

No final de janeiro, 47.756 rotas operacionais cruzavam o mundo, mais de metade delas nos EUA, Europa Ocidental e Nordeste da Ásia, de acordo com a OAG Aviation Worldwide. A 2 de novembro, havia apenas 33.416 rotas, mostram os dados.

Em Hervey Bay, uma pequena cidade turística na costa leste da Austrália, os residentes lamentam a sua última ligação aérea direta com Sydney, a principal entrada doméstica e internacional do país. O voo foi uma das oito rotas regionais canceladas pela Virgin Australia depois de a empresa ter entrado em colapso em abril com uma dívida de 6,8 mil milhões de dólares australianos (cerca de 5 mil milhões de dólares dos EUA).

Antes do coronavírus, o setor sustentava 65,5 milhões de empregos - mais de metade deles indiretamente através do turismo - e tinha um impacto económico global de 2,7 biliões de dólares, de acordo com o Aviation Benefits Report de 2019, um estudo realizado por grupos da indústria, incluindo a Organização de Aviação Civil Internacional da ONU.

 

Ver comentários
Outras Notícias