Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Preocupações com Angola travam subida do BPI em bolsa

As acções do BPI chegaram a valorizar mais de 3% durante a sessão, mas encerraram inalteradas. Os receios em relação a Angola estão a ofuscar os resultados divulgados na última sessão.

Miguel Baltazar
Patrícia Abreu pabreu@negocios.pt 28 de Janeiro de 2016 às 16:44
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

As acções do BPI encerraram inalteradas, depois de terem chegado a ganhar mais de 3% durante o dia. Apesar da reacção inicial positiva dos investidores aos resultados, o banco aliviou parte da subida com os analistas a manifestarem-se preocupados em relação à falta de um entendimento para reduzir a exposição ao risco de Angola.

Os títulos do BPI encerraram estáveis em 1,02 euros, mas chegaram a valorizar um máximo de 3,24% para 1,053 euros. O banco esteve a valorizar pela terceira sessão consecutiva, sustentado pela divulgação de lucros de 236,4 milhões de euros no último ano, um resultado que compara com prejuízos em 2014.

O banco anunciou esta quarta-feira, 27 de Janeiro, que fechou 2015 lucros que ficaram acima das previsões do CaixaBI. O banco de investimento da CGD – o único banco que reportou as previsões para os resultados do BPI – estimava que a entidade liderada por Fernando Ulrich (na foto) apresentasse "um resultado líquido positivo de 194,8 milhões face a uma perda de 163,6 milhões no exercício de 2014".

Tal como o banco de investimento previa a actividade doméstica terminou o ano com sinais positivos. O BPI fechou 2015 com um lucro de 93,1 milhões de euros (comparáveis aos 289,7 milhões de euros de prejuízos) em Portugal.

Angola gera preocupações

Ainda assim, Angola continua a ser a principal fonte de rentabilidade da instituição bancária. Representa 57% do resultado, com o BPI a receber um contributo de 135,7 milhões de euros do BFA em 2015, uma apropriação 16% superior ao contributo recebido um ano antes.

O banco liderado por Fernando Ulrich adiantou ontem que recusou a oferta de Isabel dos Santos para comprar 10% do BFA, com os accionistas do BPI a continuarem sem chegar a um entendimento em relação à forma como o banco vai reduzir a exposição a Angola. Uma questão que, segundo o Haitong, vai continuar a pesar nas acções.

"A visibilidade em relação a uma solução do BPI para o seu risco de concentração em Angola continua baixa", destaca o analista do Haitong, Filipe Rosa. Num comentário ao facto de o BPI ter recusado a proposta de Isabel dos Santos, o especialista realça que "a solução vai mais provavelmente depender de uma desconsolidação do Banco do Fomento de Angola (BFA)".

Já o CaixaBI diz que, mais do que os resultados, "o tema principal para o BPI continua a estar relacionado com os desenvolvimentos futuros associados à solução das questões relacionadas com a ultrapassagem do limite dos grandes riscos em Angola".

Ver comentários
Saber mais BPI resultados BFA exposição risco Angola Unitel Isabel dos Santos accionistas Haitong CaixaBI Filipe Rosa
Mais lidas
Outras Notícias