Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Volkswagen afunda 22% após irregularidades com testes

As acções da Volkswagen continuam a afundar na bolsa de Frankfurt, recuam quase 22% tendo já descido perto de 23%. A pressionar os títulos está o facto de a empresa ter admitido irregularidades com testes de emissões tóxicas.

Bloomberg
Ana Laranjeiro alaranjeiro@negocios.pt 21 de Setembro de 2015 às 13:16
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...

O dia continua a ser negro para as acções da Volkswagen na bolsa de Frankfurt. Os títulos seguem a recuar 21,80% para os 127 euros tendo, contudo, chegado já a perder 22,78% para 125,40 euros. No arranque da sessão, a Volkswagen apresentava uma desvalorização de 13,82% para os 139,95 euros. Por esta altura, a construtora germânica regista uma capitalização bolsista de 60,9 mil milhões de euros.

A penalizar o comportamento dos títulos está o facto de a empresa ter assumido que cometeu infracções relativamente aos testes de poluição nos EUA em carros a diesel. A construtora alemã Volkwagen está a cooperar com as autoridades norte-americanas depois de o regulador dos Estados Unidos ter descoberto que a empresa desenhou um software para cerca de meio milhão de carros a diesel que dão dados falsos relativamente às emissões, segundo avança a imprensa internacional.


A Bloomberg explica que a empresa alemã admitiu, segundo a Agência norte-americana de Protecção Ambiental (EPA na sigla inglesa), ter ajustado os veículos a diesel nos Estados Unidos com um programa informático que apenas acciona os controlos totais de poluição quando um carro está sujeito a testes oficiais às emissões. Cynthia Giles, da EPA, citada pelo The Guardian, adiantou na última sexta-feira, que os carros em questão "contêm software que desliga o controlo de emissões quando estão a ser conduzidos normalmente e que os ligam quando um automóvel é sujeito a um teste às emissões".

O líder da empresa alemã, Martin Winterkorn, já lamentou "profundamente [que a empresa tenha] quebrado a confiança dos nossos clientes e do público", em comunicado, citado pela imprensa internacional. "A Volkswagen ordenou uma investigação externa a esta questão". "Não toleramos nem vamos tolerar qualquer tipo de violações às nossas regras internas ou à lei", acrescentou.

As infracções cometidas pela Volkswagen podem levar a uma multa até 18 mil milhões de dólares (perto de 16 mil milhões de euros). O The Guardian detalha que a construtora pode sofrer multas que ascendem a 37.500 euros por cada carro que não esteja de acordo com as regras. Além disso, processos contra a empresa devido a estas infracções podem ser instaurados.

Entretanto, o Governo alemão, segundo a BBC, disse esta segunda-feira que confia que as autoridades norte-americanas avaliem se a Volkswagen cometeu alguma infracção na Europa. "Esperamos que as empresas automóveis transmitam informações confiáveis para que a Autoridade Federal de Transportes Motorizados, autoridade responsável neste caso, possa investigar se manipulações semelhantes ocorreram com os sistemas de emissões na Alemanha e na Europa", afirmou o porta-voz do ministro do ambiente da Alemanha, citado pela estação britânica.

Para Ferdinand Dudenhoeffer, líder do Centro de Pesquisa Automóvel da Universidade de Duisburg-Essen, citado pela BBC, "este desastre está além de todas as expectativas".


E para os analistas do Sanford Bernstein, numa nota deste domingo, "isto não é uma questão usual de ‘recall’, um erro de calibração ou mesmo uma falha grave de segurança". "Não há maneira de colocar uma visão optimista nisto – isto é verdadeiramente sério", afirmou citado pela BBC.

A administração da empresa alemã vai reunir-se na próxima sexta-feira para decidir se renova o contrato do presidente, até 2018.

Ver comentários
Saber mais Volkswagen EUA Cynthia Giles EPA Protecção Ambiental Autoridade Federal de Transportes Motorizados Martin Winterkorn
Outras Notícias