Bolsa O "homem das tarifas" volta a enervar os mercados. Wall Street cai mais de 2%

O "homem das tarifas" volta a enervar os mercados. Wall Street cai mais de 2%

As bolsas do outro lado do Atlântico seguem a perder mais de 2%, depois de Donald Trump vir dizer que se não houver acordo comercial com a China, então não se esqueçam que ele é o "homem das tarifas".
O "homem das tarifas" volta a enervar os mercados. Wall Street cai mais de 2%
Reuters
Carla Pedro 04 de dezembro de 2018 às 18:20

"Iam a Tariff Man". Foi assim que se auto-intitulou o presidente norte-americano, Donald Trump, num tweet publicado há poucas horas. Foi o suficiente para os investidores das bolsas do outro lado do Atlântico perderem o entusiasmo. Até porque amanhã os mercados estão encerrados, no dia de luto nacional pelo falecimento de George H. W. Bush.

 

As tréguas comerciais de três meses entre Washington e Pequim deram ontem bons ganhos a Wall Street, mas hoje estas advertências de Trump vieram mudar o rumo em Wall Street.

 

O Dow Jones segue a cair 2,09% para 25.287,20 pontos e o Standard & Poor’s 500 perde 2,24% para 2.727,86 pontos.

 

Por seu lado, o tecnológico Nasdaq Composite recua 2,65% para 7.244,34 pontos.

Os investidores ficaram satisfeitos com o "cessar-fogo comercial" entre os EUA e a China, num acordo que suspende a guerra comercial durante 90 dias. Os líderes dos dois países, Donald Trump e Xi Jinping, recorde-se, acordaram no passado sábado – à margem do G20 – tréguas de três meses para que as negociações decorram num contexto mais tranquilo. 

 

Este acordo veio intensificar a expectativa de que os presidentes norte-americano e chinês consigam chegar a um entendimento que ponha termo à aplicação mútua de tarifas aduaneiras adicionais.

 

Mas hoje o sentimento dos investidores mudou, muito à conta do que o chefe da Casa Branca escreveu na sua rede social de eleição, o Twitter. O que veio relançar receios quanto a um acordo comercial entre as duas maiores economias mundiais.

 

"As negociações com a China já começaram. A menos que se decida um prolongamento, terminarão 90 dias após a data do nosso maravilhoso e acolhedor jantar com o presidente Xi na Argentina", começou por escrever Trump.

 

Até aqui, nada que fizesse soar os alarmes. Mas em seguida publicou que a sua equipa irá trabalhar no sentido de ver se é de facto possível um acordo REAL com a China. "Se assim for, esse acordo acontecerá. É suposto a China começar a comprar produtos agrícolas, e mais, de imediato. O presidente Xi e eu queremos que este acordo aconteça, e provavelmente acontecerá", escreveu.

 

E prosseguiu: "Mas se esse acordo não acontecer, lembrem-se…. Sou um Homem de Tarifas. Quando as pessoas ou países tentam aproveitar a grande riqueza da nossa nação, quero que paguem pelo privilégio de o fazerem. Será sempre a melhor maneira de maximizar o nosso poderio económico. Neste momento estamos a arrecadar milhares de milhões de dólares em tarifas. VAMOS TORNAR A AMÉRICA RICA DE NOVO".

A Boeing, a Caterpillar e a Apple são as cotadas que mais estão a pressionar o Dow Jones – com a empresa da maçã a penalizar também fortemente o Nasdaq.

 

No S&P 500, a banca é neste momento o sector com pior desempenho, arrastada sobretudo pelo Bank of America, JPMorgan e Wells Fargo.

 

Recorde-se que amanhã os mercados estarão encerrados nos Estados Unidos, em dia de luto nacional pela morte do 41.º presidente do país, George H. W. Bush, no dia 30 de Novembro.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI