Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Wall Street regressa aos dias de "sell-off"

Depois de dias mais calmos, a incerteza e os receios regressaram e a sessão de hoje foi uma "tempestade perfeita", com vários factores a contribuírem para o sentimento negativo. As quedas dos principais índices foram superiores a 3%.

Reuters
Carla Pedro cpedro@negocios.pt 04 de Dezembro de 2018 às 21:12
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

As bolsas do outro lado do Atlântico afundaram nesta sessão de terça-feira, pressionadas pela junção de vários factores: as dúvidas quanto a um acordo comercial EUA-China, a possibilidade de um Brexit desordenado e o estreitamento do "spread" entre as várias maturidades da dívida norte-americana.

 

O Dow Jones encerrou a cair 3,10% para 25.027,07 pontos e o Standard & Poor’s 500 perdeu 3,24% para 2.700,06 pontos.

 

Por seu lado, o tecnológico Nasdaq Composite recuou 3,80% para 7.158,43 pontos.

 

Na sessão de ontem, os investidores congratularam-se com o facto de os presidentes dos EUA e da China, Donald Trump e Xi Jinping, terem acordado no passado sábado – à margem do G20 – tréguas de três meses para que as negociações sobre as relações comerciais decorram num contexto mais tranquilo. 

 

Este acordo veio intensificar a expectativa de que Washington e Pequim consigam chegar a um entendimento que ponha termo à aplicação mútua de tarifas aduaneiras adicionais.

 

Contudo, foi sol de pouca dura. E muito à conta de Trump. Mas não só. O presidente norte-americano publicou vários tweets, dando a entender que ainda muito caminho a percorrer para um acordo com a China.

 

"As negociações com a China já começaram. A menos que se decida um prolongamento, terminarão 90 dias após a data do nosso maravilhoso e acolhedor jantar com o presidente Xi na Argentina", começou por escrever Trump. Até aqui, nada que fizesse soar os alarmes. Em seguida publicou que a sua equipa irá trabalhar no sentido de ver se é de facto possível um verdadeiro acordo com Pequim. "Se assim for, esse acordo acontecerá. É suposto a China começar a comprar produtos agrícolas, e mais, de imediato. O presidente Xi e eu queremos que este acordo aconteça, e provavelmente acontecerá", escreveu.

 

Foi o que escreveu a seguir que alarmou os mercados: "Mas se esse acordo não acontecer, lembrem-se…. Sou um Homem de Tarifas. Quando as pessoas ou países tentam aproveitar a grande riqueza da nossa nação, quero que paguem pelo privilégio de o fazerem. Será sempre a melhor maneira de maximizar o nosso poderio económico. Neste momento estamos a arrecadar milhares de milhões de dólares em tarifas. VAMOS TORNAR A AMÉRICA RICA DE NOVO".

 

As bolsas, que já estavam debilitadas devido aos receios de uma saída desordenada dos britânicos da União Europeia, ficaram ainda mais desestabilizadas – com o Dow Jones a cair repentinamente 800 pontos.

 

Além destes dois factores, um outro teve bastante influência: a curva de rendimentos das obrigações norte-americanas está a horizontalizar. Ou seja, os investidores pedem juros para apostar na dívida de curto que estão cada vez mais próximos dos exigidos para o longo prazo. O que costuma indiciar a possibilidade de uma recessão pois os investidores estão a mostrar um maior receio de aplicar o dinheiro no curto prazo.

 

Os juros da dívida a 10 anos caíram hoje para o nível mais baixo desde meados de Setembro, sublinhou a Reuters. O "spread" entre as "yields" das obrigações a 10 anos e a 2 anos também "encolheram" – ficando com a distância mais estreita desde o início da crise financeira em Janeiro de 2008, "fazendo com que alguns investidores comecem a achar que se está a aproximar um período de contracção económica dos EUA", referiu a agência noticiosa.

 

A Boeing, a Caterpillar e a Apple estiveram entre as cotadas que mais pressionaram o Dow Jones – com a empresa da maçã a penalizar também fortemente o Nasdaq.

 

No S&P 500, a banca foi o sector com pior desempenho, arrastada sobretudo pelo Citigroup, Bank of America, JPMorgan e Wells Fargo.

 

Recorde-se que amanhã os mercados estarão encerrados nos Estados Unidos, em dia de luto nacional pela morte do 41.º presidente do país, George H. W. Bush, no dia 30 de Novembro.

Ver comentários
Saber mais Wall Street Standard & Poor's 500 Nasdaq Composite Dow Jones bolsa EUA
Outras Notícias