Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bruxelas apresenta três propostas para tornar mercados de capitais da UE mais atrativos

Os projetos de lei dizem respeito ao "clearing", regime de insolvência das empresas e acesso à cotação em bolsa.

Carla Pedro cpedro@negocios.pt 07 de Dezembro de 2022 às 17:55

A Comissão Europeia publicou, nesta quarta-feira, três projetos de lei que visam fomentar o crescimento económico no bloco, através de medidas de reforço do mercado de capitais.

 

Essas medidas, destinadas a desenvolver adicionalmente a união dos mercados de capitais (UMC) da UE, integram assim as propostas da Comissão Europeia para as novas regras do mercado financeiro.

 

E que medidas são essas? Tornar os serviços de compensação ("clearing") nas bolsas mais atrativos e resilientes, sustentando a autonomia estratégica da UE e preservando a estabilidade financeira; harmonizar algumas regras do regime de insolvência das empresas cotadas de toda a União Europeia, tornando-as mais eficientes e ajudando a promover o investimento transfronteiriço; e aliviar – através de uma nova Listing Act – o encargo administrativo das empresas de todas as dimensões, em particular das PME, de modo a que possam ter melhor acesso a financiamento através da entrada em bolsa.

 

Câmaras de compensação: limitar ligação financeira a uma Londres pós-Brexit

 

Com a primeira proposta, a UE exigirá que os bancos monitorizem a sua exposição às "clearing houses" (câmaras de compensação) e mantenham contas de compensação ativas no bloco. A ideia é incentivar a que mais empresas se transfiram da City de Londres para câmaras de compensação na Europa Continental até junho de 2025, altura em que expira a derrogação temporária que permite que os seus bancos e gestores de ativos procedam a compensações no Reino Unido.

 

As câmaras de compensação são serviços autónomos da bolsa, responsáveis pelo registo, compensação e liquidação, gestão dos mecanismos de segurança e controlo do risco das operações sobre contratos de futuros e opções aí negociados.


Por outras palavras, as câmaras de compensação funcionam como uma garantia adicional às transações, competindo-lhes compensar uma das partes caso a outra seja incapaz de honrar as suas responsabilidades. Assim, as empresas que pedem a adesão a uma câmara de compensação, estão a diminuir o risco das suas operações.

 

A UE quer, desta forma, reduzir a sua dependência face a Londres, que continua a dominar a infraestrutura financeira europeia, mesmo depois do Brexit, como sublinha a Bloomberg. Até agora, os investidores têm-se mostrado relutantes em transferirem as suas operações para câmaras de compensação de menor dimensão na União Europeia. Ainda assim, começa-se a observar uma importância cada vez maior da praça parisiense em alternativa à londrina.

 

"A União Europeia precisa de um procedimento de compensação seguro, robusto e atrativo para que a UMC funcione bem. Se a compensação não funcionar de forma eficiente, as instituições financeiras, empresas e investidores enfrentam mais riscos e custos mais elevados – tal como a crise financeira de 2008 mostrou", sublinha o comunicado disponível no website da Comissão Europeia.

 

Harmonizar regras do regime de insolvência das empresas

 

Quanto ao segundo projeto de lei, o documento de Bruxelas chama a atenção para o facto de cada Estado-membro ter um regime de insolvência diferente para as suas empresas. E isso, sublinha, "constitui um desafio para os investidores transfronteiriços, que têm de ter em conta 27 conjuntos diferentes de regras de insolvência quando estão a avaliar uma oportrunidade de investimento".

 

A proposta da Comissão Europeia vai no sentido de "harmonizar aspetos específicos dos procedimentos de insolvência em toda a UE". Pretende assim introduzir medidas de "preservação do estado de insilvência" (evitar ações, por parte dos devedores, que possam reduzir o valor que os credores podem obter), bem como criar "comissões de credores" para garantir uma justa distribuição do valor recuperado junto dos credores, entre outras propostas.

 

Facilitar o acesso à bolsa

 

A terceira proposta prende-se com a redução da burocracia para a entrada em bolsa, levando assim a um aumento do investimento em pequenas e médias empresas.

 

A mudança proposta elevará para 10 mil milhões de euros (contra mil milhões atualmente) o limiar abaixo do qual o "rebundling" (recombinação) das comissões de "trading" e de "research" é permitido.

 

A medida visa incentivar os investidores a prestarem mais atenção às PME. Desde a introdução, em 2018 (aplicada em Portugal desde agosto desse ano), da nova Diretiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF II), o "unbundling" (desagregação) da componente de "trading" e de "research" tem sido apontado como o responsável pelo menor incentivo dos bancos em produzirem notas de análise sobre ações de empresas mais pequenas (no que diz respeito à adequação do investimento), dificultando-lhes assim a capacidade de atraírem capital.

 

As três propostas serão apresentadas ao Parlamento Europeu e aos Estados-membros com vista à sua adoção.

Ver comentários
Saber mais União Europeia Bruxelas PME UE Comissão Europeia research serviços financeiros bolsa
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio