Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portugal "paga" este ano "acréscimo" da dívida contraído na pandemia, diz secretário de Estado

João Nuno Mendes considera que as agências de "rating" têm demonstrado confiança na resiliência da economia e contas públicas portuguesas.

Fernando Ferreira / Cofina Media
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...
Apesar da pandemia, da guerra na Ucrânia e da pressão inflacionista, as agências de "rating" e os mercados financeiros têm demonstrado confiança na economia e contas públicas de Portugal, defende o secretário de Estado do Tesouro. O país conseguirá, por isso, voltar a reduzir a dívida pública, eliminando o excesso contraído devido à pandemia, segundo João Nuno Mendes.


"A confiança internacional na economia portuguesa e nas contas públicas tem sido muito visível e valorizada pelas agências de 'rating' numa altura em que os juros estão a subir muitíssimo", afirmou o governante na abertura da conferência anual da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Exemplificou que os juros da dívida pública portuguesa a dez anos agravou até próximo de 3%, o que compara com 0,5% no início do ano. Contudo, o diferencial face a Itália reduziu-se de 70 pontos base para 130 pontos base.

"Demonstra a confiança do mercado", disse o Secretário de Estado, sublinhando que, no mês passado, tanto a Standard and Poor's como a DBRS subiram o "rating" de Portugal. "Desde 2011 que o Estado não tinha uma notação tão elevada."

É neste cenário que o Governo garante que continuará a diminuir a dívida pública, sendo que o Ministério das Finanças já tinha avançado, no reporte dos procedimentos por défices excessivos, estimar que dívida pública caia para 118,9% do PIB este ano (quando em abril apontava para 120,7%).

"Este ano devemos ter pago o acréscimo da dívida que contraímos na pandemia", anunciou João Nuno Mendes, reafirmando o objetivo de "sair do grupo de países mais endividados do mundo em 2024."

PEPP, gestão de ativos e dinamização do mercado até fim do ano

No evento que se realiza na Semana Mundial do Investidor, o Secretário de Estado do Tesouro explicou igualmente que pretende avançar com uma série de medidas direcionadas para o mercado de capitais ainda este ano.

É o caso do Produto de Reforma Pan-Europeu (PEPP), que entrou em vigor em março de 2022, mas que ainda aguarda regulamentação a nível nacional. "Contamos dentro deste ano ter o produto PEPP regulamentado e o regime fiscal aplicável", explicou, sublinhando que o Governo vai "procurar seguir a recomendação da Comissão Europeia", de neutralidade na tributação em comparação com o plano de poupança e reforma (PPR).

Da mesma forma, o secretário de Estado definiu o mesmo prazo - até fim do ano - para concluir o novo regime de gestão de ativos, cuja proposta já foi enviada pela CMVM ao Governo há vários meses. É ainda a data para serem apresentadas as conclusões da "task force" de dinamização do mercado de capitais que se seguiu ao diagnóstico da OCDE.

Ver comentários
Saber mais Portugal Governo CMVM economia negócios e finanças macroeconomia conjuntura
Outras Notícias