Matérias-Primas Há mais ouro em Portugal. E de novo no Alentejo

Há mais ouro em Portugal. E de novo no Alentejo

A W Resources, empresa de exploração de volfrâmio, ouro e cobre, sediada em Londres, anunciou que o seu primeiro furo, na zona de São Martinho, perto de Portalegre, confirmou a existência do metal amarelo.
Há mais ouro em Portugal. E de novo no Alentejo
Reuters
Carla Pedro 18 de novembro de 2016 às 15:32

O primeiro dos nove furos prospeccionados pela W Resources, no projecto aurífero de São Martinho, confirmou a existência de ouro, refere a ProactiveInvestor, citando a empresa britânica.

 

"Até agora, prospeccionámos nove furos e já temos os resultados do primeiro deles, o SMD-04, que mostrou a existência de ouro para mineralização em seis níveis, com teor até 7,6 gramas por tonelada", revelou a W Resources, que explora minério em Portugal e Espanha.

 

O Depósito de Ouro de São Martinho faz parte da zona licenciada à W Resources para prospecção de minério e que abrange a área de Crato-Assumar-Arronches (CAA)/Portalegre.

 

Esta concessão foi atribuída à Iberian Resources Portugal a 23 de Março de 2012, tendo entretanto passado para a W Resources quando esta adquiriu a Australian Iron Ore (casa-mãe da Iberian).

 

Em Setembro de 2013, a empresa britânica tinha já anunciado "excelentes resultados" nas amostras recolhidas do solo alentejano. Agora, três anos depois, comprova que existe mesmo ouro naquela zona – isto depois de, em Setembro passado, ter anunciado que as perfurações iam começar.

O "chairman" da W Resources, Michael Masterman, descreveu esta descoberta como um "excelente arranque" do programa de prospecção. Em declarações à ProactiveInvestors, Masterman sublinhou que esta zona de perfuração tem "bons teores auríferos, em múltiplos níveis". 

"O nosso objectivo é avançar e expandir de forma significativa a dimensão dos recursos auríferos do JORC (comité austral asiático de reservas conjuntas de minério), que está actualmente nas 110.000 onças", acrescentou.

Esta descoberta vem juntar-se a outras no país. No final de 2012, a canadiana Colt Resources tinha já também anunciado resultados positivos na prospecção de ouro em Montemor-o-Novo, mostrando-se optimista com o potencial da sua área de concessão.


A Colt Resources, recorde-se, assinou com o Governo português contratos de três anos para extrair ouro nas freguesias de Nossa Senhora da Boa-Fé (Évora) e Santiago do Escoural (Montemor-o-Novo), tendo em Dezembro de 2012 revelado que estava muito satisfeita com os resultados finais da avaliação às suas recentes prospecções na jazida aurífera de Monfurado.

 

Esta jazida situa-se na zona concessionada para exploração de ouro em Montemor-o-Novo, nos termos da Licença Mineira Experimental (EML, na sigla em inglês) atribuída aos canadianos para esta região do Alentejo.

 

Um ano antes, a Colt tinha já sublinhado que a zona de Boa-Fé tinha imenso potencial e poderia vir a demonstrar ser uma descoberta de classe mundial.

Ainda em 2012, em Julho, o consórcio formado pela empresa canadiana Almada Mining e pela portuguesa EDM conseguiu a concessão para exploração e prospecção de ouro em Jales/Gralheira, no concelho de Vila Pouca de Aguiar. As minas de Jales, que fecharam em 1992, foram as últimas de onde se extraiu ouro em Portugal.


Nessa mesma altura, a Direcção-Geral de Energia e Geologia atribuiu mais quatro contratos de concessões de recursos minerais. A Almada Mining recebeu duas concessões para a exploração experimental e prospecção de ouro, prata e outros metais em Banjas (Paredes); a EDM obteve uma concessão para a prospecção em Monte das Mesas (Aljustrel); e a MAEPA ganhou uma concessão para prospecção de volfrâmio, ouro e outros metais em Arcas (Valpaços/Chaves).

 

Nessa mesma altura, Jorge Valente - que presidia à unidade portuguesa da empresa canadiana, a Eurocolt Resources – disse à Bloomberg que a zona da Boa-Fé poderia conter oito milhões de onças de ouro.

 

As anteriores tentativas de encontrar ouro nesta zona falharam porque se concentraram apenas numa área de pequena dimensão, tendo a Colt encontrado sinais de uma vasta jazida aurífera depois de ter alargado ao raio de exploração.

Mas não é só no solo alentejano que o ouro brilha. Em Agosto passado, a também canadiana Medgold Resources anunciou que iria avançar com uma campanha de prospecção de ouro em Boticas (distrito de Vila Real), com 12 furos e um investimento de um milhão de euros.

 

Os direitos de prospecção foram atribuídos à Medgold pela Direcção-Geral de Energia e Geologia em Agosto de 2013 – que obteve também licenças para o distrito do Porto.




Saber mais e Alertas
pub