Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fecho dos mercados: Draghi coloca euro e juros em queda e bolsas em alta  

As palavras do presidente do BCE afectaram vários activos, pois Mario Draghi sinalizou que não está para breve o anúncio de uma mexida nos estímulos, embora tenha assinalado que a economia permanece sólida.

Reuters
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

Os mercados em números

PSI-20 cedeu 0,38% para 5.516,79 pontos

Stoxx 600 ganhou 0,94% para 383,76 pontos

S&P 500 soma 0,67% para 2.657,08 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal cai 2,4 pontos base para 1,688%

Euro desvaloriza 0,45% para 1,2106 dólares

Petróleo valoriza 0,96% para 74,71 dólares por barril em Londres

 

Acções europeias com maior subida em três semanas

As bolsas europeias encerraram em alta esta quinta-feira, 26 de Abril, depois de duas sessões consecutivas de perdas, animadas pelos resultados trimestrais das empresas e pela manutenção dos estímulos do BCE, acompanhada da garantia de que o crescimento económico continua sólido, ainda que moderado.

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganhou 0,94% para 383,76 pontos, a maior valorização desde o dia 5 de Abril. Entre as cotadas que formam este índice, as maiores subidas foram protagonizadas pela finlandesa Neste (16,83%) e pela sueca Swedish Orphan Biovitrum (12,17%), depois de terem apresentado resultados acima do esperado.

 

Em sentido contrário, o Barclays e o Deutsche Bank caíram mais de 1%, a reflectir as contas trimestrais decepcionantes.

 

Em Lisboa, o PSI-20 contrariou o optimismo dos congéneres europeus, com uma descida de 0,38% para 5.516,79 pontos, penalizado sobretudo pelo BCP. As acções do banco liderado por Nuno Amado desvalorizaram 3,12% para 27,95 cêntimos.

 

Draghi atira euro para mínimo de três meses 

O euro voltou hoje a perder terreno, com a moeda europeia a ser pressionada pelas declarações do presidente do Banco Central Europeu, já que Mario Draghi não efectuou qualquer alteração na comunicação do banco central e não sinalizou que esteja para breve o anúncio de uma mexida no pacote de estímulos.

 

O presidente do Banco Central Europeu confirmou que a economia europeia está a passar por um período de "crescimento moderado", mas adiantou que o ritmo de expansão permanece "sólido". Os analistas apontavam para que o BCE comunicasse em Junho uma redução no programa de compra de activos que termina em Setembro, mas as palavras de Draghi vieram colocar em dúvida este timing. O Commerzbank já diz que o anúncio pode ser só efectuado em Setembro.  

 

O euro está a descer 0,45% para 1,2106 dólares, tendo atingido um mínimo desde 12 de Janeiro. A moeda norte-americana, que tem beneficiado com a alta dos juros das obrigações dos EUA para máximos de quatro anos, regista hoje a oitava sessão seguida de ganhos face às principais divisas mundiais.

 

Reunião do BCE também mexe nos juros 

Com os investidores a percepcionarem que não será tão cedo que o BCE vai comunicar alterações à sua política monetária, o mercado da dívida soberana também teve esta quinta-feira uma sessão positiva, com as "yields" das obrigações a registarem uma tendência de queda.

 

Os juros das obrigações alemãs a 10 anos caem 4 pontos base para 0,591% e nos títulos de dívida portuguesa com a mesma maturidade os juros caem 2,4 pontos base para 1,688%. O "spread" da dívida portuguesa está assim em alta ligeira para 110 pontos base.  

 

Taxas Euribor descem a 6 e 9 meses

As taxas Euribor mantiveram-se hoje a três e 12 meses e desceram a seis e nove meses em relação a terça-feira. Segundo a Lusa, a taxa a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 6 de Novembro de 2015, desceu para -0,269%, menos 0,1 pontos base do que na véspera. A nove meses, a Euribor desceu para -0,220%, uma queda de 0,1 pontos base.

 

Petróleo perto de máximos

No mercado petrolífero o foco persiste no Irão, depois de o presidente francês Emmanuel Macron ter perspectivado uma saída dos Estados Unidos do acordo nuclear celebrado com este país que é um dos maiores produtores da OPEP. Neste cenário, adivinham-se sanções económicas contra o Irão, o que poderá resultar numa quebra nas exportações da matéria-prima.

 

É este receio que está a impulsionar as cotações do petróleo, embora o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, tenha assinalado que não foi tomada qualquer decisão sobre este assunto. O WTI em Nova Iorque valoriza 0,32% para 68,27 dólares, perto de máximo de três anos e o Brent em Londres valoriza 0,96% para 74,71 dólares, também perto de máximos de quatro anos.

  

Alumínio dispara

As sanções à Russia continuam a ter influência nas cotações dos metais, com particular destaque para a alumínio. Esta quinta-feira este metal está a subir 3,2% depois de ter sido noticiado que Oleg Deripaska vai manter o controlo da United Rusal, uma das maiores fabricantes de alumínio do mundo.

Ver comentários
Saber mais fecho dos mercados bolsas acções dívida juros da dívida euribor dólar euro libra petróleo WTI Brent Stoxx 600 acções europeias PSI-20 matérias-primas
Mais lidas
Outras Notícias