Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Dívida portuguesa a dez anos com juros negativos pela primeira vez

Os juros da dívida portuguesa a dez anos estrearam-se hoje em território negativo, tocando nos -0,001%.

Bloomberg
Rita Faria afaria@negocios.pt 26 de Novembro de 2020 às 14:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

A dívida portuguesa atingiu hoje um marco nunca antes alcançado, com os juros das obrigações a dez anos a negociarem em valores negativos.

Depois de várias sessões de forte alívio, a yield associada às obrigações a dez anos tocou hoje em -0,01%, seguindo agora a negociar nos 0,002%.

Portugal está assim de passagem para o exclusivo clube de países em que os investidores estão dispostos a pagar pela sua dívida, por estar ser considerada um investimento seguro, como acontece com a Alemanha, cuja dívida soberana a dez anos paga atualmente um juro de -0,585%.

Esta evolução acontece num dia em que os investidores estão novamente voltados para os ativos de refúgio, como a dívida soberana de certos países do euro, o que leva a uma subida das obrigações e, consequentemente, a uma descida dos juros.

A descida abaixo da barreira dos 0% é o culminar de uma série de sessões de quedas, que foi impulsionada pela vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, e comum à generalidade das dívidas soberanas na Zona Euro.

Paralelamente, as obrigações têm sido beneficiadas pelos programas de compra de ativos do Banco Central Europeu, que tem garantido liquidez ao mercado.

"Além disso, a oferta de Obrigações do Tesouro deverá diminuir no próximo ano, de forma que a emissão líquida de OT será negativa (emissões líquidas, deduzindo à oferta os reembolsos e as compras do BCE)", explicou o analista-chefe do Danske Bank, Jens Peter Sørensen, ao Negócios. Para Sørensen há ainda outro fator a puxar pela dívida portuguesa: os fundos garantidos pelo programa europeu SURE (Support to mitigate Unemployment Risks in an Emergency) e as garantias do Fundo de Recuperação vão suportar a economia e poderão reduzir ainda mais a emissão de novas obrigações.



Ver comentários
Outras Notícias