Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BCE fará tudo para apoiar a Zona Euro, mas urge mais cooperação internacional

A presidente do Banco Central Europeu disse que a instituição está disposta a fazer tudo o que for necessário para ajudar os países da União Europeia a ultrapassarem esta crise. Contudo, diz ser necessária mais cooperação em todo o mundo.

EPA
Negócios jng@negocios.pt 16 de Abril de 2020 às 13:24
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, diz que o banco irá fazer tudo o que for necessário para ajudar a economia da região a ultrapassar a sua maior crise das últimas décadas, mas apela a mais cooperação a nível internacional para que tal seja mais fácil. 

"O Conselho está compenetrado em fazer tudo o que for necessário no seu mandato para ajudar a Zona Euro a ultrapassar esta crise", disse Lagarde ao Comité Monetário e Financeiro Internacional, do Fundo Monetário Internacional (FMI), acrescentando que "está totalmente preparado para aumentar o tamanho do seu programa de compra de ativos e ajustar a sua composição, tanto quanto necessário e pelo tempo que for necessário".

Lagarde disse ainda que "o BCE apoia as medidas de resposta a crises do FMI, nomeadamente os ajustes no seu kit de ferramentas para empréstimos de emergência e a criação de uma linha de liquidez a curto prazo para países com fortes fundamentos macroeconómicos". 

Em tempo de pandemia, a ordem do FMI é para gastar, mas sempre sem perder a "responsabilidade" e a "transparência". No Fiscal Monitor, um relatório do Fundo Monetário Internacional publicado ontem sobre a política orçamental, os peritos internacionais defendem que os Estados podem fazer muito pelos seus cidadãos e empresas nesta crise. Devem canalizar verbas para a saúde, apoiar as famílias e as empresas, e preparar a retoma. Mas não devem perder a noção de que se trata de gastar muito dinheiro.

"Os governos têm de fazer o que for preciso. Mas precisam de garantir que guardam os recibos", lê-se no artigo publicado ontem por Vítor Gaspar (na foto), diretor do FMI para os Assuntos Económicos, e pelos economistas seniores do seu departamento, W. Raphael Lam, e Mehdi Raissi, no Blog do FMI. O artigo sumariza a mensagem principal do Fundo no que diz respeito à política orçamental, durante e depois da pandemia de covid-19.


Como resposta ao impacto da pandemia na saúde económica da Europa, o BCE deixou de aplicar o limite auto-imposto à compra de dívida pública dos países que integram a Zona Euro, elevando assim o nível de resposta à crise causada pela pandemia do novo coronavírus, complementando o novo programa de compra de ativos num valor de até 750 mil milhões de euros, anunciado a 18 de março, o chamado Pandemic Emergency Purchase Programme (PEPP), que serve apenas para financiar despesas dos países da moeda única relativos à pandemia. Este PEPP corre em paralelo ao programa de compra de ativos em vigor ("Quantitative Easing").

Ainda assim, o trunfo idealizado por Mario Draghi na crise de 2012, as Transações Monetárias Definitivas (OMT, na sigla em inglês), ficaram na gaveta.

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, já repetiu o discurso da cooperação entre países por diversas vezes, tendo-o feito pela última vez na semana passada, quando apelou aos Estados europeus para estarem "lado a lado" na resposta com medidas orçamentais à crise causada pela pandemia de covid-19, numa altura em que há divergências.
"É vital que a resposta orçamental a esta crise seja suficientemente forte em toda a Zona Euro. Os governos devem estar lado a lado para aplicarem em conjunto políticas adequadas a um choque comum pelo qual ninguém é responsável", escreveu Lagarde, num artigo de opinião divulgado pelo jornal Le Monde e citado pela AFP.

Também na semana passada, a instituição europeia aprovou um conjunto de medidas que reduzem os critérios usados para avaliar as garantias de capital dos bancos, o que se traduz numa flexibilização das regras de acesso aos respetivos programas. 
Em comunicado publicado no site da instituição chefiada por Christine Lagarde surge a informação de que o conselho de governadores do BCE sinaliza ter adotado um conjunto sem precedentes de medidas temporárias para "mitigar a contração das condições financeiras na Zona Euro".
Ver comentários
Saber mais BCE Zona Euro Christine Lagarde Fundo Monetário Internacional FMI Estados PEPP economia negócios e finanças macroeconomia instituições económicas internacionais conjuntura
Outras Notícias