Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fed anuncia novo programa de 2,3 mil milhões para apoiar estados e PME

A Reserva Federal dos Estados Unidos revelou alguns pormenores do seu plano de 2,3 biliões de dólares que visa apoiar os estados mais populosos do país e as empresas que tenham até 10.000 funcionários.

Jerome Powell não esperou por nova reunião ordinária da Fed para voltar a cortar juros.
Joshua Roberts/Reuters
Gonçalo Almeida goncaloalmeida@negocios.pt 09 de Abril de 2020 às 14:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
A Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed) divulgou um novo programa de 2,3 biliões de dólares para amenizar o impacto que o coronavírus está a ter nos governos locais e nas pequenas e médias empresas norte-americanas. 

Nesta quinta-feira, a instituição liderada por Jerome Powell disse que ia trabalhar com os bancos para disponibilizar empréstimos de 4 anos às empresas que empreguem até 10.000 funcionários e com menos de 2,5 mil milhões de dólares em lucro referente a 2019. 

Para além das ajudas corporativas, a Fed revelou que vai comprar diretamente dívida dos estados e cidades mais populosas do país para os ajudar a responder a esta crise de saúde.

"A maior prioridade do nosso país deve ser lidar com esta crise de saúde pública, cuidando dos doentes e limitando a disseminação do vírus", disse o presidente da Fed, Jerome Powell, acrescentando que "o papel da Fed é proporcionar o máximo de alívio e estabilidade possível durante este período de atividade económica restrita, e as nossas ações de hoje vão ajudar a garantir que a eventual recuperação seja o mais vigorosa possível".

Os empréstimos corporativos serão efetuados através do Main Street Lending Program no valor de até 600 mil milhões de dólares para pequenas e médias empresas. O Departamento do Tesouro, através do financiamento do Coronavirus Aid, vai providenciar mais 75 mil milhões de dólares. 

Ao nível dos governos locais, a Reserva Federal vai disponibilizar um mecanismo de liquidez municipal de 500 mil milhões de dólares em empréstimos para estados e municípios. Para além disso, o Departamento do Tesouro vai fornecer ainda um pacote de 35 mil milhões de dólares. 

A Fed disse também que vai expandir o anterior programa anunciado de empréstimos a empresas para incluir algumas classes de dívida mais arriscadas e que tinham sido excluídas. 


À boleia desta bazuca da Reserva Federal dos Estados Unidos, os três principais índices de Wall Street acordaram a negociar em alta nesta quinta-feira. O Dow Jones segue a somar 1,31% para 23.741,34 pontos, o Standard & Poor’s 500 avança 1,23% para 2.783,85 pontos e o tecnológico Nasdaq Composite ganha 1,08% para se fixar nos 8.174,59 pontos.

O coronavírus provocou uma enorme subida nos pedidos para o subsídio de desemprego, que na semana terminada a 4 de abril, ascenderam a 6,6 milhões – o segundo número mais alto de sempre (desde que o Departamento norte-americano do Trabalho começou a recolher estes dados, em 1967) e muito acima da estimativa média dos economistas inquiridos pela CNN, que apontavam para mais 5,25 milhões de pedidos.

 

Nas últimas 3 semanas, os novos pedidos de subsídio ascendem assim a 16,8 milhões (10% da força laboral nos EUA), já que cerca de 10 milhões de pessoas tinham solicitado subsídio de desemprego nas duas últimas semanas de março.


(Notícia atualizada)
Ver comentários
Saber mais Fed Jerome Powell Reserva Federal dos Estados Unidos economia negócios e finanças economia (geral) política diplomacia
Outras Notícias