Economia Brexit afunda emigração portuguesa para o Reino Unido

Brexit afunda emigração portuguesa para o Reino Unido

A entrada de portugueses em território britânico baixou 26% em 2017, a segunda descida consecutiva. Os especialistas em emigração explicam este movimento "sobretudo pelos receios induzidos" pela saída da União Europeia.
Brexit afunda emigração portuguesa para o Reino Unido
Bruno Simão/Negócios
António Larguesa 13 de março de 2018 às 16:23

A emigração portuguesa para o Reino Unido recuou 26% em 2017, em comparação com o ano anterior, naquele que foi o primeiro exercício completo para poder aferir os primeiros efeitos no terreno depois da decisão de saída da União Europeia, votada em referendo em Junho de 2016.

 

De acordo com os dados oficiais do Departamento de Trabalho e Pensões do Reino Unido, depois da quebra que tinha sido mais branda em 2016 (-5,4%), no ano passado houve 22.622 portugueses que rumaram àquele território, equivalendo os cidadãos nacionais a 3,3% do total dos quase 683 mil estrangeiros que ali entraram nesse período.

 

Esta é a segunda descida anual consecutiva no número de novos emigrantes portugueses no Reino Unido, empurrando estes valores para o nível mais baixo desde 2013. O máximo nesta série disponibilizada pelo Observatório da Emigração foi registado em 2015, ascendendo nesse ano a um total de 32.301 entradas.

 

Num destaque divulgado esta terça-feira, 13 de Março, assinado pelos investigadores Inês Vidigal e Rui Pena Pires, este organismo não tem dúvidas em afirmar que "a aceleração da redução da emigração portuguesa para o Reino Unido parece explicar-se sobretudo pelos receios induzidos pelo Brexit", que será concretizado em Março de 2019.

 

Apesar de acompanhar o movimento geral e de esta descida se ter feito sentir em várias origens, incluindo Espanha, França ou Itália, os números oficiais evidenciam que o ritmo de redução na nova emigração portuguesa foi superior ao do total das entradas de imigrantes no Reino Unido, em que o recuo se ficou pelos 0,4% em 2016 e 17,2% em 2017.

 

As autoridades portuguesas estimam que mais de 400 mil compatriotas morem no Reino Unido, que era até recentemente o quinto país estrangeiro – e o terceiro na Europa – onde residem mais portugueses. E a comunidade portuguesa no Reino Unido é, entre os principais destinos de emigração, a que tem a maior percentagem (38%) de licenciados, sendo que na maioria dos países nem sequer chega aos dois dígitos.

 

Os últimos sinais que saíram das negociações entre Londres e Bruxelas indiciam que um acordo no Brexit ainda poderá demorar a ser obtido e ficar mesmo para o início do próximo ano. A confirmarem-se as perspectivas dos representantes britânicos, citadas há dias pela Bloomberg, a data mais provável para o acordo é agora Janeiro de 2019, o que deixaria uma curta margem de dois meses até à data fixada para o Reino Unido sair da União Europeia.




pub