Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Eleições britânicas terminaram com dois vencedores, dois derrotados e três demissões

Os conservadores de David Cameron e os nacionalistas escoceses foram os grandes vencedores das eleições britânicas, com os trabalhistas e os liberais democratas a serem os grandes derrotados. Já os eurocépticos do UKIP conseguiram uma meia vitória. A maioria absoluta dos "tories" levou Ed Miliband, Nick Clegg e Nigel Farage a baterem com a porta.

Bloomberg
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...

A expressão "hung parliament" foi muito pronunciada nos últimos dias, mas foi rapidamente riscada poucas horas após o fecho das urnas no Reino Unido.

 

As sondagens apontaram durante meses para uma Casa dos Comuns dividida ao meio com os trabalhistas, mas a sondagem à boca das urnas divulgada na noite de quinta-feira revelou uma vantagem confortável para os conservadores.

 

Pela madrugada fora, os dados começaram a revelar uma discrepância com as sondagens. Por fim, veio a confirmação pela manhã: a primeira maioria absoluta dos "tories" desde 1992.

 

Dos 650 círculos eleitorais em jogo, o Partido Conservador obteve 331 lugares, mais 24 do que em 2010. Com a maioria absoluta no bolso, David Cameron faz as suas primeiras declarações como novo primeiro-ministro.

 

"Acredito sinceramente que estamos à beira de algo especial no nosso país", afirma, confiante, no número 10 de Downing Street, após ter sido recebido pela rainha Isabel II.

 

No discurso, garantiu que vai avançar com o referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia, prometeu dar mais poderes à Escócia e criar mais postos de trabalho.

 

Além da vitória, Cameron assegurou a maioria absoluta. Mas há mais. No espaço de uma hora assistiu à demissão dos seus três principais rivais: Ed Miliband (Partido Trabalhista), Nick Clegg (Liberais Democratas) e Nigel Farage (UKIP).

 

Os trabalhistas obtiveram 232 lugares, menos 26 face a 2010. A Escócia foi a região onde os trabalhistas sofreram a maior derrota, ao perderem 40 dos 41 lugares conquistados em 2010.

 

A terceira maior força política passou agora a ser o Scottish National Party. Os nacionalistas escoceses obtiveram um total de 56 lugares dos 59 em disputa na Escócia, mais 50 face às eleições anteriores. Uma vitória em toda à linha, obtida à custa dos votos do Labour.

 

Além dos trabalhistas, outro dos grandes derrotados da noite foi o Partido Liberal Democrata. Deixaram de ser a terceira maior força na Casa dos Comuns para passarem a ser a quarta. Perderam 49 lugares nesta eleição, ficando com um total de oito.

 

Destaque também para a meia vitória obtida pelos eurocépticos do UKIP. Por um lado, conseguiram eleger um deputado para o parlamento. Por outro, o seu líder, Nigel Farage, falhou a eleição e acabou por demitir-se. No entanto, prometeu tirar as férias do verão para pensar e ainda pode voltar para concorrer às eleições internas em Setembro.

 

Na Irlanda do Norte, o Democratic Unionist Party manteve os seus oito deputados. Já o Ulster Unionist Party conquistou dois deputados, enquanto o Sinn Fein perdeu um deputado para ficar com um total de quatro. Mas, tradicionalmente, os nacionalistas irlandeses prescindem de ocupar o seu lugar na Casa dos Comuns.

Ver comentários
Saber mais Reino Unido Casa dos Comuns Partido Conservador David Cameron Downing Street União Europeia Partido Trabalhista Ed Miliband Nick Clegg Democratic Unionist Party eleições nacionais partidos e movimentos eleições política
Outras Notícias