Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Euler Hermes: Recuperação de Portugal vai ser em U com PIB a subir 9% em 2021

A seguradora aponta uma recuperação forte de Portugal no próximo ano, contrastando com a contraçao de 8% que prevê para 2020. No ABC gráfico, a Eurler Helmes aponta para uma recuperação em U.

Rafael Marchante
Gonçalo Almeida goncaloalmeida@negocios.pt 12 de Maio de 2020 às 12:24
  • Assine já 1€/1 mês
  • 10
  • ...
Apesar da contração de 8% da economia portuguesa prevista para este ano, é expectável uma recuperação mais forte do que a queda, na ordem dos 9%, perfazendo uma recuperação gráfica em "U", segundo um relatório da seguradora Euler Hermes, seguradora de créditos que é acionista da portuguesa Cosec. 

"As medidas tomadas para conter a propagação do novo coronavírus poderão resultar numa recessão de -8% em 2020 (...) e a economia portuguesa só deverá regressar à normalidade em 2021, depois de existir no mercado uma vacina. No cenário mais otimista, no próximo ano o PIB pode crescer 9%", aponta.

A queda do PIB (produto interno bruto) de 8% para este ano será abaixo da média europeia de -9,3%, segundo a seguradora, que realça uma recuperação no ano seguinte em linha com os pares europeus (+9% para Portugal versus +9,3% na Zona Euro). Quanto à inflação, estima que será de -0,2% para este ano e que suba para os 1,5% para 2021. 

"Portugal teve menos casos de infeção e menos mortes do que outros países europeus, mas também implementou medidas que vão pesar na atividade económica este ano. A par disso, a economia portuguesa depende muito do turismo (esta atividade vale entre 18 e 20% do PIB) e tem aumentado a sua integração no comércio mundial, tendo as exportações a representar 44% da riqueza produzida pelo país (contra 31% em 2010)", segundo o economista da empresa para a América Latina, Espanha e Portugal, Georges Dib.

Adianta que "isto significa que Portugal sofrerá um impacto significativo da forte quebra no volume de trocas internacionais (-15% esperado este ano). Embora o comércio de mercadorias deva regressar progressivamente após o levantamento das medidas de contenção, o país será ainda mais impactado pela diminuição das viagens no longo prazo, que afetará as suas receitas turísticas".

PIB pode afundar 17% com recuperação em L
Apesar de considerar que o cenário mais provável é o de uma recuperação em "U", a seguradora também não descarta a possibilidade de uma recuperação em "L", com uma retoma mais lenta. 

Nesse quadro, a contração da economia portuguesa pode situar-se nos -17% em 2020 e nos -3% em 2021, com a inflação a fixar-se em -1% este ano e -0,1 em 2021.

Isto pode acontecer se "surgir uma segunda vaga do vírus, que levaria a que a economia mundial ficasse abaixo dos níveis pré-crise até ao final de 2021, se a manutenção de um clima de incerteza no longo prazo, que atrasaria o investimento e aumentaria as poupanças dos consumidores, por precaução", e ser existissem "erros políticos, como apoio insuficiente dos bancos centrais ou uma partilha desadequada dos encargos orçamentais entre os países da Zona Euro, que podem desencadear uma recaída e uma crise das dívidas soberanas".

Acrescenta que outros dos fatores que podem atrasar a recuperação económica são "uma crise bancária ou do setor imobiliário, uma má gestão das desigualdades sociais, cadeias de abastecimento mais curtas" e ainda "risco moral elevado (de mudança de comportamento dos agentes económicos), que pode traduzir-se num risco coletivo de maior inflação, reestruturação da dívida e aumento dos impostos". 

"Para evitar uma crise prolongada, os economistas consideram essencial que se assegure liquidez (a mercados, bancos e empresas) e se reforce confiança dos consumidores nas instituições", conclui.

Ver comentários
Saber mais Zona Euro Euler Hermes Portugal PIB economia negócios e finanças U macroeconomia conjuntura política governo (sistema) executivo (governo)
Mais lidas
Outras Notícias