Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Provedora já recebeu este ano 339 queixas por atrasos nas pensões

O problema é estrutural, mantém-se, e as queixas continuam a chegar, alertou a Provedora de Justiça no Parlamento. Maria Lúcia Amaral volta a insistir nos casos de recibos verdes que continuam sem apoios e pede criatividade nas soluções, lembrando que “não podemos pedir ao sistema mais do que ele pode dar”.

António Cotrim/Lusa
Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt 03 de Junho de 2020 às 13:18
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

Até 31 de maio deste ano a Provedoria de Justiça tinha recebido já 339 queixas por atraso no processamento de pensões. O número vem no seguimento do que aconteceu em anos anteriores. Em 2019 foram 1.721 e no ano anterior tinham sido contabilizadas 923. As contas foram dadas esta quarta-feira no Parlamento pela Provedora de Justiça, que esteve numa audição conjunta nas comissões de Trabalho e Segurança Social e de Orçamento e Finanças.  

 

Maria Lúcia Amaral admitiu que boa parte dos problemas são de funcionamento informático e disse que, "não tendo a certeza de que estes problemas estruturais tenham piorado ao longo de 2019, certo é que não cessaram".

 

Há problemas grandes com os emigrantes que querem regressar a Portugal e enfrentam uma verdadeira dor de cabeça, com atrasos que chegam a dois anos, disse.

 

O problema mais recorrente tem sido o do reporte de rendimentos de anos anteriores, ou seja, pensionistas que recebem atualizações de anos anteriores com atraso, todas no mesmo ano, o que faz com que os seus rendimentos tenham um aumento extraordinário naquele ano, subindo de escalão e pagando mais IRS.

 

"São pessoas de grande vulnerabilidade que não só têm de sofrer um atraso que é imputável ao estado, como depois, como contribuintes, enfrentam num mesmo ano uma subida de escalão.", referiu Maria Lúcia Amaral. "É certo que este regime foi sendo atenuado. Mas o que recomendei em 2018 foi que se atendesse à possibilidade de voltar ao regime anterior. E o Parlamento permitiu que com uma declaração de substituição" o contribuinte pudesse resolver o problema, mas a forma com a AT interpreta esta norma leva a que esta tenha efeitos apenas para os rendimentos postos à disposição do contribuinte a partir de 1 de janeiro de 2019. Isso voltou a fazer disparar as queixas.

 

Esta questão está em vias de ser resolvida no Parlamento também para os anos de 2018 e 2017, tal como o Negócios noticiou. E a Provedora de Justiça reconheceu que é sobretudo nestes anos que a questão se coloca.

 

Independentes em maior risco

A outra questão em destaque na audição parlamentar foi a da situação dos trabalhadores independentes na sequência da pandemia. As respostas encontradas pelo Governo não são suficientes, considerou a Provedora.

 

"Muitas pessoas que mudaram de vida e passaram a trabalho independente ao longo do ultimo ano mas que eram antes trabalhadores dependentes" não estão a ser contempladas, estão a ver "ignorado por completo o seu passado contributivo", assinalou Maria Lúcia Amaral. Há ainda o caso dos trabalhadores informais, de "pessoas que principalmente se dedicam a trabalho independente, mas que têm de recorrer frequentem a trabalho dependente". São os casos de "multiemprego, o nosso tecido social é disso feito, pessoas que acumulam", sendo que o regime de apoio criado "continua a pressupor a exclusiva atividade independente".

 

Para estas pessoas continua a faltar respostas, sublinhou a Provedora de Justiça. Que respostas podem ser dadas? Maria Lúcia Amaral reconhece que "não estamos perante um problema de Segurança Social". "O que vivemos, o que aconteceu em todo o mundo não era segurável, porque não era previsível. Estamos perante um problema de Orçamento do Estado. É uma questão orçamental e como tal deve ser entendida e resolvida", sendo que "não podemos pedir ao sistema mais do que ele pode dar", declarou.

 

Neste contexto, "temos de ter a criatividade suficiente numa situação como esta, de nos libertarmos do quadro tradicional e de acudir através dos meios orçamentais e não deixar cair ninguém abaixo do mínimo da dignidade. Independentemente da condição laboral concreta dessa pessoa. É um direito não escrito, mas que acredito que existe, ao mínimo necessário para uma vida condigna. E temos de assegurar que esse direito chega a todos. É o imperativo fundamental neste momento, que não pode ter paralelo com nenhum outro", rematou aos deputados.

Ver comentários
Saber mais Maria Lúcia Amaral Provedoria de Justiça Trabalho Parlamento Parlamento pensões IRS
Mais lidas
Outras Notícias