Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

União Europeia em risco de adiar tecto ao petróleo russo

Em causa está o veto da Hungria e do Chipre que têm dificultado a imposição desta medida. Novos detalhes devem ser apresentados numa reunião informal dos líderes da União a 5 de outubro.

Reuters
Diogo Mendo Fernandes diogofernandes@negocios.pt 26 de Setembro de 2022 às 16:14
  • Partilhar artigo
  • 3
  • ...
A União Europeia deverá adiar a fixação de um limite ao preço do petróleo proveniente da Rússia, devido a uma falta de acordo no seio da União. O Chipre e a Hungria estarão, de acordo com a Bloomberg, entre os países que têm expressado desacordo com a medida.

Apesar da proposta ter resultado do acordo entre os países membros do G7, a aprovação de sanções na UE requer unanimidade e por isso cada nação tem possibilidade de veto.

A Comissão Europeia, o braço executivo da UE, encontrou-se com vários Estados-membros ao longo do fim de semana, com o objetivo de encontrar um compromisso para a proposta. Mesmo com o desacordo do Chipre e da Hungria alguns países podem vir a apresentar um acordo preliminar, numa reunião informal dos líderes da União a 6 de outubro.

No entanto, é ainda desconhecido o valor desse tecto. Sabe-se apenas que a medida teria de ser aprovada antes de 5 de dezembro, quando um novo pacote de sanções da União entra em vigor.

Depois de o Presidente Vladimir Putin ter anunciado na semana passada uma "mobilização parcial" do exército do país, os 27 membros aumentaram os esforços para a aprovação de sanções. Outras propostas em discussão são o controlo na importação de diamantes e a proibição de certos metais russos.

Ao mesmo tempo, está também em discussão uma proposta para restringir a exportação para a Rússia de componentes usados em armas, revelam as fontes consultadas pela Bloomberg. Esta medida poderia ter um impacto fundamental, uma vez que Moscovo precisa agora de armar cerca de 300 mil soldados.
Ver comentários
Saber mais União Europeia Hungria UE Rússia Chipre economia negócios e finanças macroeconomia política conjuntura energia
Outras Notícias