Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Alunos só podem usar internet grátis para “contexto educativo”

Os 335 mil computadores prometidos pelo Governo estão atrasados devido às regras de contratação pública e à escassez no mercado, mas os alunos estão já avisados de que o consumo de dados móveis será reservado às aulas.

Sérgio Lemos
Negócios jng@negocios.pt 15 de Fevereiro de 2021 às 10:37
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Os milhares de computadores que o Governo prevê fazer chegar aos alunos nos próximos meses, em regime de empréstimo, vão incluir também a ligação gratuita à internet, mas o secretário de Estado para a Transição Digital adverte que esse dispositivo não será de utilização livre.

 

"A ideia que também está tratada com os operadores é de que haja aqui uma capacidade de fazermos alguma seleção do tipo de serviços que estão disponíveis para que consigamos garantir que o consumo de dados só é elegível se for para contexto educativo", salvaguardou André de Aragão Azevedo.

 

Em entrevista ao Eco, publicada esta segunda-feira, 15 de fevereiro, o governante calcula que os 335 mil computadores encomendados vão "fechar todo o ciclo de alunos que são beneficiários da Ação Social Escolar, escalões A e B". Segue-se o "objetivo da universalização", que envolverá um total de 1,3 milhões de computadores para alunos e professores.

 

Questionado sobre o atraso na entrega dos computadores, numa altura em que voltaram as aulas à distância por causa do fecho das escolas neste segundo confinamento, André de Aragão Azevedo culpou as regras de contratação pública – "implica concursos públicos internacionais com uma escala enorme e com uma dilação em termos temporais muito grande" – e a escassez de equipamentos informáticos no mercado internacional.

 

Por outro lado, sem detalhar ainda o valor do desconto ou as condições que estão a ser negociadas, o secretário de Estado destacou que a tarifa social de internet, que só chegará no final do ano escolar, terá de ser "sustentável e simultaneamente suficientemente relevante" para que "ninguém fique excluído do acesso ao mundo digital por vulnerabilidade económica".
Ver comentários
Saber mais educação computadores internet digitalização governo André de Aragão Azevedo
Outras Notícias