Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

A braços com “motim” no governo, Boris não sai

Depois das demissões dos ministros da Saúde e das Finanças na terça-feira, o governo britânico registou esta quarta-feira a saída de dezena e meia de secretários de Estado. Boris Johnson mantém-se irredutível e recusa abandonar o cargo de primeiro-ministro.

Pedro Curvelo pedrocurvelo@negocios.pt 06 de Julho de 2022 às 22:01
  • Partilhar artigo
  • 4
  • ...

A crise política no Reino Unido ganhou esta quarta-feira novas proporções: são já 37 os membros do governo e nomes fortes do partido no poder que se demitiram e o número de vozes dentro dos Conservadores a pedir ao primeiro-ministro que deixe o número 10 de Downing Street não pára de aumentar.

Na terça-feira, as demissões, quase simultâneas, dos ministros da Saúde e das Finanças abalaram a estabilidade do governo britânico. Ainda no mesmo dia, foram vários os elementos proeminentes no partido a apelar a Boris Johnson para que abandonasse o cargo.

Na génese deste “tsunami” político está uma sucessão de escândalos, mas a gota de água que fez transbordar o copo terá sido a nomeação de Chris Pincher, acusado de assédio sexual, para número dois da bancada parlamentar conservadora.

Johnson veio pedir desculpas públicas pela nomeação, mas os seus detratores sublinham que o primeiro-ministro sabia há muito tempo da existência das alegações de assédio sexual.

Ontem, após Johnson ter reiterado que não deixaria a liderança do Executivo, os anúncios de demissões no governo foram ocorrendo a um ritmo desenfreado.

À hora de fecho desta edição, tinham abandonado o governo 15 secretários de Estado. Na bancada conservadora o número de “desertores” ascendia a 16 e eram ainda outros quatro os nomes sonantes do partido a abandonarem os respetivos cargos.

E são vários os governantes e destacados membros do partido e próximos de Boris Johnson a pedirem que este deixe o poder e provoque eleições antecipadas. Entre estes nomes contam-se o líder da bancada parlamentar conservadora.

Boris, no entanto, diz que isso seria “irresponsável” e mantém-se irredutível. 

Ver comentários
Saber mais Boris Johnson Conservadores Reino Unido Downing Street política crise
Outras Notícias