Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Como a carga fiscal em Portugal duplicou em 53 anos e superou vários países europeus

Entre 1965 e 2017, a carga fiscal em Portugal foi das que mais subiu entre os países da OCDE, acompanhando o desenvolvimento do Estado social e a história do país. Portugal foi subindo na tabela europeia, mas continua abaixo da média.

Carlos Barria/Reuters
A carga fiscal mais que duplicou em Portugal entre 1965 e 2017, ao subir de 15,7% do PIB para 34,7%, e superou vários países, segundos dados divulgados recentemente pela OCDE. Este aumento acompanhou o desenvolvimento dos serviços públicos, como o Serviço Nacional de Saúde, a escola pública e a Segurança Social. 

A subida da receita dos diferentes impostos acompanha também, a história do país, e a criação de diferentes impostos, do Imposto das Transações em 1966 (que incidia sobre o consumo), passando pela criação do IVA, do IRS e do IRC na década de 1980 ou o enorme aumento de impostos do ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar em 2013.

Em 2017, o IRS e o IRC representavam 9,8% do PIB e as contribuições sociais 9,3% do PIB (ambos pesavam menos de 4% em 1995). O IVA representa agora 8,7% e é o terceiro imposto com maior peso no PIB.


Essas mudanças fizeram com que a posição de Portugal ao longo dos anos fosse mudando. Desde 1965, quando era dos países europeus (sobre os quais a OCDE tem dados) com menor carga fiscal, Portugal subiu algumas posições, mas fica abaixo da média destes países, que ronda os 40%. França, Bélgica, Finlândia, Itália, Grécia e Alemanha ficam à frente de Portugal.

Espanha, Reino Unido, Estónia e Irlanda (que foi dos poucos países da OCDE que viu a carga fiscal descer desde 1965) têm cargas fiscais inferiores. 

No gráfico em baixo pode ver como evoluiu a carga fiscal, em todos os anos desde 1965, em alguns países europeus (selecionados pelo Negócios).
Ver comentários
Saber mais Portugal carga fiscal ocde impostos IRS IRC IVA
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio