Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Moita Flores investigado por corrupção

Segundo o Expresso deste sábado, o ex-inspetor da PJ e ex-autarca de Santarém é suspeito de ter recebido 300 mil euros, no âmbito de um processo relacionado com factos ocorridos quando liderava a autarquia. Ao jornal, Moita Flores diz-se vítima de “espetáculo”.

Negócios jng@negocios.pt 22 de Fevereiro de 2020 às 12:45
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...

A Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária (PJ) está a investigar Francisco Moita Flores, ex-inspetor e agora arguido num processo de corrupção e prevaricação relacionado com factos ocorridos quando era presidente da Câmara Municipal de Santarém, eleito pelo PSD, escreve o Expresso na sua edição deste sábado.

 

O ex-polícia e ex-autarca, terá sido corrompido com 300 mil euros para favorecer uma empresa — a ABB Construções — que recebeu uma indemnização de 1,8 milhões de euros da câmara no negócio da construção de um parque de estacionamento em Santarém, concretiza o jornal.

 

Em declarações ao Expresso, Moita Flores afirma que tem conhecimento do processo, que corre no DIAP de Évora, mas recusa ter praticado qualquer crime: "Estou a ser vítima de um espetáculo montado por uma procuradora do Ministério Público, que decidiu perseguir-me com acusações falsas, e pelo ­atual presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves, que me escolheu para desviar as atenções das promessas eleitorais que não conseguiu cumprir", afirma, citado pelo jornal.

Ver comentários
Saber mais Santarém PSD Francisco Moita Flores Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária PJ crime lei e justiça Expresso política
Mais lidas
Outras Notícias