Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

O que é que os principais bancos centrais vão fazer em 2020

2019 foi o ano em que os bancos centrais regressaram ao campo de batalha, cortando os juros para contornar a desaceleração causada pela guerra comercial e o subsequente declínio da atividade industrial.

Jerome Powell
EPA
Bloomberg 26 de Dezembro de 2019 às 15:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

Algumas instituições, como a Reserva Federal, aumentaram os juros antes de 2019, criando espaço para o afrouxamento num ambiente de crescimento mais fraco desde a crise financeira. Mas outras, como o Banco Central Europeu, viram-se numa posição mais difícil e tiveram que empurrar as taxas ainda mais para terreno negativo, alimentando críticas sobre os juros abaixo de zero.

 

O ano de 2020 talvez seja mais calmo para a política monetária. A área orçamental pode se ocupar de parte do trabalho, e as perspetivas de crescimento estão um pouco melhores.

No entanto, os dados económicos são mais duvidosos do que positivos. Em suma, a política monetária ainda se inclina para o lado "dovish". Enquanto os grandes bancos centrais apontam para a manutenção dos juros, outros, especialmente nos mercados emergentes, devem cortar as taxas novamente.

 

Confira a revisão trimestral da Bloomberg Economics para alguns bancos centrais.

 

Reserva Federal

  • Taxa de juro atual (limite superior): 1,75%
  • Previsão para fim de 2020: 1,75%

O presidente da Fed, Jerome Powell, não deixou dúvidas de que as taxas de juros estão em manutenção prolongada, ao dizer a 11 de dezembro que a postura atual "provavelmente continuará apropriada", a menos que a perspetiva favorável da Fed para a economia sofra uma reavaliação significativa. As declarações seguiram a decisão de manter as taxas de juro estáveis ??num intervalo de 1,5% a 1,75%, após três cortes consecutivos. As projeções da Fed mostram que 13 dos 17 membros não esperam mudanças nas taxas até 2020. Isto manteria a Fed à margem durante as eleições presidenciais marcadas para o próximo ano.

 

Banco Central Europeu

  • Taxa de depósitos atual: -0,5%
  • Previsão para fim de 2020: -0,5%

O BCE prometeu intensificar os estímulos novamente se necessário, mas as autoridades sinalizaram publicamente que favorecem uma pausa depois de Mario Dragh ter aprovado um pacote polémico em setembro para ajudar a economia da Zona Euro.

 

Economistas e investidores esperam que as taxas permaneçam inalteradas, e a flexibilização quantitativa continue durante todo o ano de 2020 e além. Mas o banco central ainda poderá ser testado novamente se a economia vacilar sob incertezas no campo comercial ou se a desaceleração do setor industrial do bloco se espalhar para o segmento de serviços.

 

Banco do Japão

  • Taxa de juro atual: -0,1%
  • Previsão para fim de 2020: -0,1%

As perspetivas para o Banco do Japão em 2020 estão um pouco melhores após um pacote de gastos do governo para impulsionar o crescimento e alguns sinais de aceleração da economia global. Este cenário deve manter o banco central japonês em modo de espera por enquanto. Com a taxa de juro já em território negativo e ativos no balanço patrimonial que valem mais do que a economia do país, os obstáculos para agir novamente são muitos, apesar do viés de afrouxamento.

 

Banco da Inglaterra

  • Taxa de juro atual: 0,75%
  • Previsão para fim de 2020: 0,75%

O Banco da Inglaterra finalmente terá um novo presidente em 2020, encerrando uma procura muitas vezes caótica para o sucessor de Mark Carney.

 

A vitória decisiva de Boris Johnson nas eleições de dezembro abriu caminho para que o seu governo retire o país da União Europeia a 31 de janeiro. Andrew Bailey, que comanda a principal agência reguladora do Reino Unido, assume o comando do BOE a 16 de março com o desafio de enfrentar uma desaceleração global e escassez persistente de investimentos. O mais preocupante é que o novo prazo para o Brexit já está próximo, e o Reino Unido precisa de garantir um acordo comercial com a UE até o fim do próximo ano, a menos que Johnson peça uma extensão.

 

Banco Popular da China

  • Melhor taxa de empréstimos a 1 ano atual: 4,35%
  • Taxa de recompra reversa de 7 dias atual: 2,50%
  • Previsão para fim de 2020: 4,35%; 2,35%

 

Os analistas que previam o início da flexibilização monetária em larga escala pelo Banco Popular da China em 2019 ficaram desapontados, e o governador Yi Gang indicou que pretende seguir o caminho modesto e focado em estímulos em 2020. Dito isto, se a segunda maior economia do mundo piorar, os economistas esperam que o banco central continue a injetar dinheiro no sistema, como tem sido o método preferido para sustentar a economia este ano.

 

Banco Central do Brasil

  • Taxa de juro atual: 4,5%
  • Previsão para fim de 2020: 4,5%

O Banco Central do Brasil fecha um ciclo de afrouxamento monetário que levou a taxa de juro de referência a um mínimo histórico de 4,5%. Embora investidores ainda estejam a debater se a taxa pode cair outros 25 pontos base, estão de acordo que a taxa de juro deve permanecer próxima do nível atual até ao fim de 2020.

 

O período sem precedentes de cortes de juros é suportado pelo facto de as expectativas de inflação permaneceram dentro da meta oficial nos próximos dois anos. A economia também ganha força depois de quase três anos de desempenho dececionante, mas a recuperação continua gradual.

 

(Texto original: Our Guide to What the World’s Top Central Banks Will Do Next Year)

Ver comentários
Saber mais Reserva Federal Banco Central do Brasil Banco Central Europeu Fed Boris Johnson Banco Popular da China política monetária
Mais lidas
Outras Notícias