Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Jerónimo de Sousa: "O meu partido precisa ainda da minha contribuição"

"O meu partido precisa ainda da minha contribuição", disse Jerónimo de Sousa numa entrevista, na segunda-feira à noite, ao programa Polígrafo, na SIC-Notícias.

Lusa 13 de Outubro de 2020 às 01:28
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O secretário-geral do PCP afirmou, na segunda-feira, que o seu partido "ainda precisa" da sua contribuição, e nada disse de definitivo sobre se continuará no cargo após o congresso nacional dos comunistas, em novembro.  

"O meu partido precisa ainda da minha contribuição", disse Jerónimo de Sousa numa entrevista, na segunda-feira à noite, ao programa Polígrafo, na SIC-Notícias.

No final de uma conversa de quase 30 minutos, Jerónimo, 73 anos, foi questionado sobre o seu futuro à frente do partido, que lidera desde 2004, e deu uma resposta longa, sem nunca abrir o jogo sobre o que fará.

"É o congresso que elege o comité central e o comité central que elege o secretário-geral. Tenho muita confiança no acerto da decisão do comité central, sempre com este sentimento que tenho: o meu partido precisa ainda da minha contribuição. E, sejam quais forem as circunstâncias, há uma coisa que posso garantir: continuarei a ser comunista, continuarei a dar ao meu partido o melhor que puder dar, na medida em que ele deu-me muito a mim também, na minha formação e na forma de estar na vida", disse.

E disse confiar ma decisão dos seus camaradas tomarem, antes de ser questionado sobre se esperava vir a ter a confiança do partido: "Não espero nem desespero. Tenho este sentimento de confiança de que haverá um acerto na decisão em relação a essa responsabilidade."

O líder dos comunistas, que em 20 de setembro a admitiu implicitamente continuar à frente do partido, aconselhando a que se apostasse numa "tripla" quanto ao seu futuro -- "sair, ficar ou ficar mais um bocadinho", repetiu, por três vezes, que a questão do secretário-geral "não vai ser um problema" no congresso.

Jerónimo de Sousa admitiu pela primeira vez não se recandidatar à liderança do partido porque "é da lei da vida", embora frisando não ir "calçar as pantufas" e que se manterá como militante comunista, numa entrevista à Lusa em março de 2019.

Nos meses seguintes não repetiu a afirmação e manteve a dúvida.

No início de setembro, durante uma visita à festa do Avante, Jerónimo manteve o mistério sobre a sua continuidade ou não à frente dos destinos do partido, recusando a ideia de "tabu".

"Tabu, não", respondeu, a rir, aos jornalistas referindo que "a vida tem a sua dinâmica".

O secretário-geral é eleito pelo comité central, no XXI congresso do PCP, agendado para novembro, que, antes, elege o novo comité central em resultado do debate interno que será feito nos próximos meses.
Ver comentários
Saber mais PCP Jerónimo de Sousa política
Mais lidas
Outras Notícias