Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Acionista ativista do bem-estar animal quer nomear duas administradoras para a McDonald's

O multimilionário e ativista norte-americano, Carl Icahn, detentor de 200 ações da McDonald's, nomeou duas novas executivas para o conselho de administração da gigante da" fast food" colocando um ponto final a uma troca de acusações sobre bem-estar animal.

9ª  McDonald's - marca avaliada em 39,809 milhões de dólares (35,50 milhões de euros)
Bloomberg
Fábio Carvalho da Silva fabiosilva@negocios.pt 21 de Fevereiro de 2022 às 15:36

O multimilionário e ativista norte-americano, Carl Icahn, detentor de 200 ações da McDonald's, nomeou duas novas executivas para o conselho de administração da gigante de "fast food" no seguimento de uma polémica relacionada com bem-estar animal. A mudança acontece depois de Icahn ter acusado a companhia, em declarações ao Wall Street Journal (WSJ) e Bloomberg, de manter "porcas grávidas em caixas pequenas, sem fazer nada para mudar esta situação".

 

Num comunicado publicado este domingo, a McDonald's informou que Icahn propôs Leslie Samuelrich, uma investidora ligada ao desenvolvimento sustentável, e Maisie Ganzler, uma executiva da indústria alimentar conhecida por alinhar os interesses das empresas onde trabalha com os objetivos ambientais. As candidatas serão votadas na próxima Assembleia Geral anual.

 

A cadeia de restaurantes respondeu rapidamente às acusações do acionista e defendeu, através de uma nota de imprensa, que "a empresa está comprometida com o bem-estar animal" e lembrou que desde 2012 que exige os fornecedores de carne suína "eliminem gradualmente o sistema de barracas". Icahn retorquiu e afirmou que "a situação está cada vez mais a piorar em vez de melhorar" e que "apesar de eu ter tentado, a empresa não avançou neste assunto".

 

A gigante da empresa de "fast food" acrescentou ainda que, até o final de 2022, espera que entre 85% a 90% da carne suína que chega aos restaurantes não seja criada nas condições descritas e que até 2024 que 100% da carne enviada para os EUA não advenha de porcas alojadas em grupo e em espaços sem condições durante a gravidez.

A companhia aproveitou ainda o momento por atacar contra Icahn, por este ser acionista maioritário da Viskase, produtora e fornecedora de embalagens para a indústria de suínos e aves, mas por não exigir os mesmos compromissos a esta empresa, apesar da presença que tem no seu capital.

 

"A participação do sr. Icahn no capital da Viskase  dá-lhe uma exposição única para fazer frente a estes desafios nesta empresa, no entanto note-se que até agora, o sr. Icahn não pediu publicamente a Viskase assumisse os ojetivos que já pediu à McDonald's".

 

Ver comentários
Saber mais Carl Icahn Bloomberg WSJ Viskase economia negócios e finanças Informação sobre empresas grandes empresas
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio