Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Espanha avança com investigação alargada à Volkswagen

A procuradoria da Audiência Nacional considera que as práticas da Volkswagen, que manipulou as emissões de carros a gasóleo, poderão representar danos para o país. Em termos fiscais e ambientais.

Bloomberg
Wilson Ledo wilsonledo@negocios.pt 19 de Outubro de 2015 às 16:11
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

A procuradoria da Audiência Nacional em Espanha solicitou a abertura de uma investigação na sequência do escândalo de manipulações de emissões poluentes em carros a gasóleo pela Volkswagen.

Segundo a imprensa espanhola esta segunda-feira, 19 de Outubro, a fabricante automóvel será investigada por alegada fraude e prejuízo económico em todo o território, para além de delitos ambientais e fraude nas subvenções públicas recebidas pelo grupo.

Uma das atribuições da Audiência Nacional é investigar e julgar casos complexos, como crime económico e financeiro, terrorismo ou corrupção.

A acusação solicita ao juiz que inicie uma série de diligências como a reunião de toda a informação disponível sobre o assunto até ao momento pelo Ministério da Indústria espanhol bem como os relatórios recebidos da própria Volkswagen.

A procuradoria da Audiência Nacional quer ainda perceber em detalhe quais os veículos afectados pelo escândalo em Espanha, bem como a organização da própria Volkswagen no país. Em Espanha existem mais de 680 mil veículos a circular com este problema.

A relação entre o grupo alemão e Espanha é forte, através da Seat, estando previstos investimentos na ordem dos quatro mil milhões de euros naquele país. O Governo espanhol já assegurou que não haverá desinvestimento nos projectos anunciados.

Também este fim-de-semana, as autoridades francesas levaram a cabo buscas em escritórios do grupo automóvel em Paris, tendo sido apreendido material informático. França está a investigar a Volkswagen por alegada "fraude agravada".

Ver comentários
Saber mais Audiência Nacional Espanha Volkswagen crime lei e justiça crime económico economia negócios e finanças automóvel ambiente poluição justiça
Outras Notícias