Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CEO do Caixabank considera 2018 um "ano muito positivo" do BPI

O dono do BPI, o espanhol Caixabank, mostra-se satisfeito com os resultados obtidos pela sucursal portuguesa durante o ano de 2018. O presidente do Caixabank pretende replicar em Portugal "os principais pontos fortes" do seu modelo de negócio para dar continuidade à tendência.

# Porque Sobe - O CaixaBank vai passar a ter o controlo total no capital do BPI, esperando que a perda da qualidade de sociedade aberta, que afastará todos os accionistas minoritários, fique concluída até ao final do ano. Gonzalo Gortázar é a face do investimento do grupo espanhol no banco, que tem vindo a desfazer-se de activos em sectores não estratégicos. Também tem havido alienação de negócios do BPI ao próprio accionista. É o CaixaBank a transformar-se num banco ibérico. Com Gortázar ao leme.
Negócios com Lusa 01 de Fevereiro de 2019 às 12:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
A direção do CaixaBank manifestou-se esta sexta-feira, em Valência, "muito satisfeita" com a evolução do BPI, esperando que em 2019 continue a crescer e a ganhar quota de mercado, ao mesmo tempo que mantém os custos controlados.

Na apresentação dos resultados do CaixaBank, dona do BPI, também foi sublinhado que o grupo espanhol irá continuar a estender o seu modelo de negócio à filial portuguesa, depois de no final de 2018 ter adquirido a totalidade do seu capital.

"O BPI teve um ano [2018] muito positivo" e os objetivos para 2019 são "crescer, ganhar quota de mercado, melhorar as margens financeiras, melhorar as comissões, manter o controlo dos gastos", disse o presidente executivo do CaixaBank, Gonzalo Gortázar (na foto), na conferência de imprensa em que apresentou os resultados do grupo bancário e que decorreu em Valência, Espanha.

Gortázar assegurou que o CaixaBank está concentrado no seu crescimento orgânico e não pretende adquirir qualquer outra entidade. "Estamos completamente concentrados nas operações, queremos fazer crescer o BPI e não temos nos nossos planos nenhuma operação corporativa", afirmou o presidente executivo do CaixaBank.

Por seu lado, o presidente do CaixaBank, Jordi Gual, avançou que nos próximos anos o grupo vai estar também "muito focado" em continuar a replicar em Portugal "os principais pontos fortes" do seu modelo de negócio, para assim conseguir chegar a mais clientes e oferecer mais serviços.

O grupo espanhol apresentou lucros de 1.985 milhões de euros em 2018, um aumento de 17,8% em relação a 2017.

Na informação que transmitiu hoje à Comissão Nacional do Mercado Mobiliário (CNMV) espanhola, o banco sublinha que os principais fatores que impulsionaram o crescimento verificado foram a robustez das receitas "core", a maior contribuição do BPI e a redução das dotações.

O CaixaBank realçou que fecha o exercício de 2018 com uma participação de 100% no BPI, depois de em dezembro passado a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) ter aprovado a saída da bolsa da filial portuguesa.

O banco português contribuiu com 262 milhões de euros para o lucro total da instituição espanhola (104 milhões em 2017). Contudo, o lucro consolidado do BPI em 2018 disparou e atingiu os 490,6 milhões de euros, acima do resultado de 10,2 milhões de euros registados em 2017, divulgou esta sexta-feira o banco.

Em comunicado enviado à CMVM, a instituição justifica que os "ganhos extraordinários com a venda de participações" elevaram o lucro da atividade em Portugal para os 396 milhões, o que representa 81% do resultado consolidado.

Investidores não tão satisfeitos

O banco espanhol Caixabank, dono do português BPI, está a deslizar mais de 6% em bolsa depois de ter revelado lucros para o ano de 2018 que ficaram abaixo das expectativas dos analistas. Os lucros  do Caixabank para o quarto trimestre ficaram pelos 217 milhões de euros, abaixo da pior das estimativas recolhidas pela Bloomberg. O intervalo de estimativas para este período começava nos 340 milhões de euros e ascendia até aos 470 milhões de euros.

A instituição espanhola segue a ceder 6,09% para os 3,097 euros, mas já chegou a tocar os 3,071 euros na sequência de uma quebra de 6,88%. O Caixabank torna-se desta forma o banco com as maiores perdas entre os cotados no índice de referência europeu, o Stoxx600, e arrasta para o vermelho o índice madrileno, o Ibex 35.

Ver comentários
Saber mais Valência CaixaBank BPI Espanha Gonzalo Gortázar presidente do CaixaBank Jordi Gual Ibex Portugal Comissão Nacional do Mercado Mobiliário Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Comissão do Mercado de Valores Mobiliários CMVM economia negócios e finanças serviços financeiros
Mais lidas
Outras Notícias