Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cristina Casalinho: Bancos estão todos a preparar-se para um Brexit sem acordo

A presidente da Agência de Gestão da Tesouraria e Dívida Publica (IGCP) disse hoje que os bancos estão a preparar-se para uma solução de "hard Brexit", ou seja, uma saída sem acordo, sem riscos para o sector financeiro.

Pedro Elias
Lusa 20 de Novembro de 2018 às 13:39
  • Partilhar artigo
  • 2
  • ...

"Os bancos estão todos a preparar-se para a solução de 'hard Brexit' [saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo], portanto o que vai acontecer é que se for um período de transição, em que a equivalência é o regime, já vai chegar tarde, porque já está toda a gente a preparar-se para se não for essa a solução", disse Cristina Casalinho à agência Lusa.

 

A responsável falava à margem de uma conferência sobre o tema "'Brexit': uma negociação complexa", organizada pela Câmara do Comércio e Indústria Luso-Espanhola e o Institute of Public Policy.

 

"Não há um quadro totalmente claro e, portanto, as pessoas preparam-se para o pior, para não ter riscos", afirmou a presidente do IGCP, explicando que hoje em dia "é tudo muito uniforme" e, por isso, uma das principais dificuldades é que se espera que tudo passe a ser "mais fragmentado".

 

"Mas há entidades que têm já soluções próximas daquilo que poderá a ser o futuro, mas não há certeza que essas soluções sejam validas ou não", referiu.

 

Durante a sessão, Cristina Casalinho sinalizou para a complexidade da negociação associada à saída do Reino Unido da União Europeia e explicou algumas preocupações do sector financeiro, tais como a garantia da continuidade contratual e dos serviços e como assegurar a capacidade de compensação de operações.

 

Entre os riscos de médio prazo, a responsável falou na arbitrariedade entre autoridades e na garantia de integridade e transparência dos mercados.

 

Exemplificando com o caso português, para uma entidade do Reino Unido poder operar em Portugal, após o 'Brexit', terá que pedir autorização à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) portuguesa.

 

"O nível de fragmentação e de soluções avulsas será grande", disse Cristina Casalinho, referindo, no entanto, que a maior parte dos bancos britânicos já pediram estas autorizações.

 

Segundo a responsável, serão várias as alterações a preparar, nomeadamente ao nível da documentação (assinatura de novos contratos), contabilização, reporte e liquidação/compensação e estas envolverão "claramente um aumento de custos".  

 

Os chefes de Estado e de Governo da UE a 27 reúnem-se num Conselho Europeu extraordinário, no próximo domingo, em Bruxelas, para aprovar o projecto de acordo alcançado na semana passada, subsistindo a incógnita em torno da aprovação do documento pelo parlamento britânico, já que são muitas as vozes contra os contornos do acordo, incluindo dentro do partido conservador de Theresa May.

Ver comentários
Saber mais Brexit presidente do IGCP Cristina Casalinho Institute of Public Policy CMVM
Outras Notícias