Banca & Finanças Deutsche Bank lança plano de reestruturação de 7,4 mil milhões

Deutsche Bank lança plano de reestruturação de 7,4 mil milhões

O Deutsche Bank pretende diminuir a sua posição no negócio do mercado de capitais, pretendendo, ainda, diminuir a banca de investimento. O custo da reestruturação é de 7,4 mil milhões, e terá perdas no segundo trimestre de 2,8 mil milhões.
Deutsche Bank lança plano de reestruturação de 7,4 mil milhões
Bloomberg
Negócios 07 de julho de 2019 às 16:01
Este domingo, o conselho de administração do Deutsche Bank aprovou um mega plano de reestruturação, que vai custar-lhe 7,4 mil milhões de euros, anunciou a instituição. Este valor é superior ao noticiado na semana passada, com a Reuters a avançar que o plano do banco alemão apontava para um custo de cerca de 5 mil milhões de euros.

O plano prevê que o banco abandone o negócio de venda e negociação de ações que, segundo a Reuters, rendeu à instituição 1,96 mil milhões de euros em receitas em 2018. O Deutsche Bank apesar de sair deste negócio prevê manter uma pequena operação no mercado de capitais. 

A banca de investimento será também reduzida, focando-se a atividade nos clientes empresariais alemães, fusões e aquisições, banca privada e gestão de ativos.

Neste contexto, o plano de reestruturação estima que a força laboral seja reduzida em 18 mil postos de trabalho até 2022, um valor que é, ainda assim, inferior às notícias que apontavam para um corte de 20 mil postos de trabalho.

O presidente executivo do banco, Christian Sewing, garantiu, em maio, que iria implementar um plano de reestruturação de grande dimensão, depois de ter falhado a fusão com o seu rival alemão Commerzbank. Isto numa altura em que a instituição alemã está a tentar recuperar o negócio, que tem dado prejuízos nos últimos anos. O plano foi agora apresentado ao conselho de administração, tendo sido aprovado este domingo. 


O Deutsche Bank revelou que vai reportar um prejuízo de 2,8 mil milhões de euros referente ao segundo trimestre do ano, um valor que já reflectirá a reestrutuação que está a ser implementada no banco. Excluindo os custos de reestruturação, que neste trimestre ascendem a três mil milhões de euros, a instituição revela que o banco registaria um lucro de 120 milhões de euros.

O banco alemão afasta o cenário de aumento de capital, mas avisa desde já que não vai pagar dividendos pelos exercícios de 2019 e 2020. E diminui o objetivo de ter um rácio CET1 acima dos 13%, para uma meta de 12,5%, depois de ter já consultado os reguladores. O mínimo requerido é de 11,8%.

O Deutsche Bank está a passar por um período conturbado, acumulando prejuízos e falhando uma fusão que era vista como uma promessa de recuperação. Em abril o Deutsche Bank esteve em negociações com o Commerzbank para uma fusão entre as duas instituições – um cenário que já esteve várias vezes em cima da mesa. Contudo, a operação acabou por não se concretizar com os dois bancos a concluírem que uma fusão não seria a opção com melhores consequências a nível financeiro.

(Notícia atualizada às 16:45 com mais informação)



Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI