Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Indústria de chips teme impacto da inteligência artificial na explosão do uso de eletricidade

Uma enxurrada de novos dispositivos a conectar-se à internet tem gerado mais dados e aumentado a necessidade de poder computacional com inteligência artificial.

Bloomberg 25 de Julho de 2020 às 19:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O crescente uso da inteligência artificial (IA) vai provocar um preço alto em energia a menos que a indústria de chips intervenha, de acordo com uma das maiores empresas do setor.

Os centros de dados estão a caminho de consumir 15% da eletricidade do mundo até 2025, de acordo com a Applied Materials, a maior fabricante mundial de equipamentos para chips. Atualmente, estes armazéns gigantes de computadores sugam cerca de 2%, informou a empresa.

"A IA tem potencial para mudar tudo", afirma o CEO da Applied Materials Gary Dickerson, numa palestra remota pré-gravada para a conferência Semicon West. "Mas a IA tem um calcanhar de Aquiles que, a menos que seja discutido, impedirá que ela atinja seu verdadeiro potencial. Esse calcanhar de Aquiles é o consumo de energia."

Uma enxurrada de novos dispositivos a conectar-se à internet tem gerado mais dados e aumentado a necessidade de poder computacional com inteligência artificial, de forma a fazer sentido das novas informações. Os fabricantes de chips, a maioria dos quais utiliza máquinas da Applied, tornaram os seus componentes eletrónicos mais eficientes em termos de energia, mas não o suficiente, de acordo com Dickerson. A indústria precisa criar novos designs personalizados, adaptados ao processamento de IA e novas maneiras de conectar esses chips, afirmou ainda.

As espessuras nos minúsculos circuitos que dão aos chips as suas funções são medidas em bilionésimos de metro. Mas para mover e armazenar dados rapidamente exigem grandes quantidades de energia. O processador Xeon da Intel pode consumir mais de 200 watts, tanto quanto uma TV antiga. Colocando milhares destes processadores próximos, e juntando-os a todos os outros componentes necessários para criar um servidor e o consumo de eletricidade aumentará.

O CEO da Applied prometeu reduzir o consumo de energia da empresa e inovar nos conceitos básicos de fabrico e materiais para ajuda os seus clientes a produzir componentes mais eficientes.

A Applied passará a utilizar 100% de energia renovável e reduzirá sua pegada de carbono em 50% nos próximos 10 anos, prometeu Dickerson. Mesmo mudanças relativamente simples nas práticas podem ajudar, afirmou. Levar um engenheiro dos EUA para a Ásia e voltar gera cerca de 2 toneladas de dióxido de carbono. A Applied aprendeu, durante a pandemia de Covid-19, como melhorar a pesquisa e desenvolvimento remotos e o suporte ao cliente, acrescentou o responsável, tornando menos necessárias viagens deste tipo.

Ver comentários
Saber mais IA economia negócios e finanças política Informação sobre empresas governo (sistema) autoridades locais economia (geral) executivo (governo)
Mais lidas
Outras Notícias