Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Pandemia “desmonta” mobiliário português no estrangeiro

A fileira do mobiliário perdeu 14% das exportações em 2020, face ao ano anterior, com os cinco maiores clientes internacionais a reduziram as compras às fábricas nacionais. França e Espanha valem mais de metade das vendas.

DR
António Larguesa alarguesa@negocios.pt 25 de Fevereiro de 2021 às 11:42
  • Partilhar artigo
  • ...

As empresas portuguesas do cluster do mobiliário venderam 1,58 mil milhões de euros no estrangeiro em 2020, o que representa uma quebra de 14% em relação ao ano anterior, que tinha sido o melhor de sempre para este setor que exporta cerca de 90% da produção.

 

Os primeiros três meses da pandemia - março (-32%), abril (-75%) e maio (-52%) – foram "absolutos rombos na dinâmica internacionalizadora" desta fileira, que integra também a colchoaria, a decoração, a tapeçaria ou a iluminação. Ainda recuperou no verão, em termos homólogos, mas as restrições da covid-19 no último trimestre do ano arrastaram novamente as contas para o vermelho.

 

De acordo com os dados disponibilizados pela APIMA, a principal associação do setor, os cinco maiores importadores encolheram as compras de mobiliário português no ano passado. A começar por França (-20%), que continua a valer quase um terço das exportações nacionais, e prosseguindo em Espanha (-6%), Alemanha (-30%), Reino Unido (-16%) e Estados Unidos da América (-12%).

 

"Os resultados do segundo semestre de 2020 demonstram a dinâmica das empresas deste cluster, que, mesmo perante circunstâncias sem precedentes, lograram continuar a encontrar novos mercados, oportunidades e soluções", diz Joaquim Carneiro, presidente da APIMA, citado numa nota enviada às redações.

 

Joaquim Carneiro, presidente da APIMA.
Joaquim Carneiro, presidente da APIMA. Paulo Duarte



O responsável por esta associação empresarial sediada no Porto considera que esta fileira "é hoje mais dinâmica, flexível e moderna, quer a nível produtivo, quer na sua comunicação e imagem". É que, impedidas de participar em feiras internacionais, investiram em novos canais de venda digitais, como "showrooms" e stands virtuais.

Com um total de 4.500 empresas e 31 mil trabalhadores, o cluster do mobiliário estimava em abril de 2020 que a crise do novo coronavírus colocaria dois terços do setor em lay-off e teria um impacto negativo de 30% na faturação anual, em relação a 2019. A APIMA acreditava, ainda assim, que "boa parte" dos funcionários dispensados seriam absorvidos por empresas de maior dimensão, sem evitar a perda de 15% dos empregos até dezembro.

Ver comentários
Saber mais indústria mobiliário exportações pandemia covid-19 França Espanha Alemanha Reino Unido EUA
Outras Notícias