Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Juros da casa sobem pelo nono mês consecutivo e seguem em máximos de 2012

A taxa de juro implícita nos contratos de crédito à habitação subiu mais de 30 pontos base em termos mensais em dezembro e fixa-se agora em 1,898%, o valor mais elevado desde setembro de 2012.

Os prazos longos nos contratos de crédito à habitação são uma das preocupações do Banco de Portugal, que quer encurtar as maturidades.
João Cortesão
Diogo Mendo Fernandes diogofernandes@negocios.pt 19 de Janeiro de 2023 às 11:06
A taxa de juro implícita dos contratos de crédito à habitação não dá sinais de abrandamento e dezembro não foi exceção, mostram os dados divulgados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Ao nono mês de aumentos, a taxa de juro implícita foi 1,898% em dezembro, uma subida de 30,1 pontos face a novembro, em linha com a escalada que a Euribor tem registado. Este valor é o mais elevado desde setembro de 2012.

O incremento das taxas de juro em termos de variação mensal tem quebrado recordes desde agosto de 2022, sendo que este aumento superior a 30 pontos base é o maior desde o início da série do INE, em janeiro de 2009.

Particularmente nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro escalou de 2,365% em novembro para 2,715% em dezembro. Já o valor médio da prestação ascendeu aos 536 euros, com uma subida de 29 euros face novembro de 2022.

No último mês de 2022, o capital em dívida aumentou 241 euros para 62.004 euros, sendo que a prestação média subiu 11 euros face a novembro e 46 euros quando comparado com dezembro de 2021, situando-se em 299 euros.

No acumulado de 2022, a taxa de juro média para o total do crédito à habitação foi de 1,084%, um valor superior em 24,2 pontos base ao verificado em 2021. O capital médio em dívida aumentou 3.833 euros, para 60.142 euros e a prestação média mensal registou um incremento de 12,9% ou 31 euros para 268 euros.

Com vista ao financiamento para aquisição de habitação - que tem o maior peso no crédito à habitação, - a taxa de juro implícita para o total dos contratos foi de 1,903% em dezembro, subindo 29,7 pontos base face a novembro. Nos contratos realizados nos últimos três meses os juros aumentaram 35 pontos base face ao penúltimo mês de 2022, fixando-se em 2,722%.

Prestação da casa mantém-se em máximos de 2009

Também a prestação da casa paga pelas famílias aos bancos registou um incremento de 11 euros para 299 euros - o valor mais elevado desde abril de 2009, quase 14 anos. Deste valor, 99 euros (33%) correspondem ao pagamento de juros e os restantes 200 euros (67%) a capital amortizado.

Face a dezembro de 2021, a componente de juros representava apenas 16% do valor médio da prestação, 253 euros. Especificamente nos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação subiu 29 euros para 536 euros.

O capital médio em dívida em dezembro também aumentou 241 euros face a novembro, fixando-se em 62.004 euros. No caso dos contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio em dívida subiu 1.038 para 130.202 euros no último mês de 2022.

Notícia atualizada
Ver comentários
Saber mais Instituto Nacional de Estatística INE habitação casa juros
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio