Mercados China recua e trava queda do yuan

China recua e trava queda do yuan

A China lançou o pânico nos mercados ao responder às tarifas impostas pelos Estados Unidos com uma desvalorização da moeda. Contudo, Pequim recuou rapidamente e o yuan recupera dos mínimos de dez anos atingidos na última sessão.
China recua e trava queda do yuan
Reuters
Negócios 06 de agosto de 2019 às 07:58

Um dia depois de ter provocado uma desvalorização da sua divisa, o yuan, a China voltou à "arena" para contrariar estas quebras.

O Banco Popular da China anunciou a venda de títulos de dívida no valor de 30 mil milhões de yuan, uma forma de mitigar a perda de valor da divisa.

A moeda chinesa chegou a registar uma quebra de 2,3% no acumular dos últimos três dias e desceu abaixo da fasquia psicológica dos 7 yuans por dólar, passando a valer menos. O Banco Popular da China fixou, esta segunda-feira, a taxa de câmbio nos 6,9 yuans por dólar, o nível mais baixo desce dezembro de 2008, o que provocou uma queda acentuada da moeda chinesa, que recuou para mínimos de 11 anos. Contudo, a ação posterior do banco central chinês permitiu que a divisa abrisse a cotar nos 7,0699 dólares, onshore, e 7,1397 dólares offshore, acima do "ponto de rutura".

"O Banco Popular da China está a enviar sinais de que gostaria de mitigar a depreciação de renminbi – ao remediar a relação baixa dólar/yuan e ao anunciar a emissão de títulos do Tesouro offshore", comenta um estratega da Westpac, consultado pela Reuters.

Media chineses indignados com acusações de "manipulador"

O jornal oficial do Partido Comunista Chinês disse esta terça-feira que os Estados Unidos estão "a destruir a ordem internacional deliberadamente".

O Governo americano determinou que a China está a manipular a sua moeda, revelou o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, num comunicado emitido esta segunda-feira e citado pela imprensa internacional. O Tesouro americano diz ter designado a China como "manipulador cambial" e que vai envolver o Fundo Monetário Internacional (FMI) para eliminar a concorrência desleal.

Trump já havia acusado a China de uma "grande violação", referindo-se à desvalorização cambial.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI