Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas europeias sobem há quatro meses e tiram brilho ao ouro

Abertura dos mercados: Bolsas europeias sobem há quatro meses e tiram brilho ao ouro

Prestes a fechar o mês de abril, as bolsas europeias acumulam quatro meses consecutivos de ganhos. Já o ouro perde terreno há três meses seguidos.
Abertura dos mercados: Bolsas europeias sobem há quatro meses e tiram brilho ao ouro
Reuters
Tiago Varzim 30 de abril de 2019 às 09:27
Os mercados em números
PSI-20 desce 0,31% para 5.376,73 pontos
Stoxx 600 desvaloriza 0,11% para 390,89 pontos
Juros da dívida portuguesa a dez anos recuam 0,2 pontos para 1,119%
Euro soma 0,06% para 1,1192 dólares
Petróleo em Londres valoriza 0,35% para 72,29 dólares o barril

Bolsas europeias acumulam ganhos há quatro meses
As bolsas europeias arrancaram em baixa a sessão desta terça-feira, 30 de abril, depois de a produção industrial de abril na China ter desiludido.

Apesar da queda, as praças europeias caminham para fechar abril como o quarto mês consecutivo de ganhos de 2019, o que já não acontecia desde o início de 2017. Desde o arranque do ano a valorização é superior a 15%.

Neste momento, o Stoxx 600, o índice que agrega as 600 principais cotadas europeias, está a desvalorizar 0,11% para os 390,89 pontos. O setor mais penalizado é o da banca com os bancos nórdicos a apresentar resultados dececionantes, depois de ontem ter sido o setor que mais subiu. As cotadas tecnológicas também sofrem da desilusão dos investidores com os resultados da Alphabet, a empresa-mãe da Google, assim com os da Samsung. 

Para já, os investidores aguardam a divulgação de hoje do PIB da Zona Euro relativo ao primeiro trimestre e a decisão da Reserva Federal sobre o rumo da política monetária, que deverá ser divulgada amanhã. 

Além disso, hoje arranca mais uma ronda de negociações entre os Estados Unidos e a China tendo em vista chegar a um acordo comercial que coloque um ponto final à disputa iniciada há um ano. Segundo a Bloomberg, é expectável que haja um acordo no início de maio. 

A bolsa nacional é uma das que perde neste início de sessão. O PSI-20 derrapa pela segunda sessão consecutiva - 0,31% para 5.376,73 pontos - ao ser penalizada pelo BCP, pelo grupo EDP e pelos CTT. Os correios revelaram que os lucros baixaram 38% no primeiro trimestre para 3,7 milhões de euros ontem após o fecho da sessão. As ações estão a reagir com uma queda superior a 4%. 

Juros portugueses atingem novos mínimos históricos
Os juros portugueses voltam na sessão de hoje a atingir mínimos históricos. Pela primeira vez, os juros chegaram aos 1,119% ao registarem uma queda de 0,2 pontos base. A redução dos juros da dívida portuguesa no mercado secundário tem sido constante nos últimos meses. Em 2018, Portugal viu a fatura com os juros da dívida total baixar para os 2,8%, um mínimo de 2010.

Euro afasta-se de mínimos de maio de 2017
Na semana passada, a divisa europeia chegou a tocar num novo mínimo de maio de 2017. Contudo, na sexta-feira começou a recuperar e essa tendência manteve-se na segunda-feira e agora no início da sessão de hoje. O euro sobe 0,06% para os 1,1192 dólares.

Petróleo sobe ligeiramente 
As sanções norte-americanas ao petróleo venezuelano e o reforço das sanções contra o Irão criaram mais dificuldades do lado da oferta do "ouro negro" e levaram à subida do barril na semana passada. Contudo, esses ganhos já se esfumaram com a pressão de Donald Trump para que os preços desçam a equilibrar a balança. 

Na sessão de hoje o petróleo volta a subir ligeiramente, mas já esteve quase estagnado. A influenciar o mercado poderá estar a declaração do ministro saudita da Energia que admitiu um prolongamento do acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) no final de 2019, o que contribuiria para diminuir ainda mais a oferta e aumentar a cotação do barril. 

Nesta altura, o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, sobe 0,28% para 63,67 dólares, enquanto o Brent, transacionado em Londres, valoriza 0,35% para 72,29 dólares.

Ouro cede há três meses
Com as bolsas norte-americanas a registarem máximos históricos, o apetite pelo risco continua em alta, ao passo que os "ativos de refúgio" como o ouro continuam a perder terreno.

O "metal precioso" está a caminhar para o terceiro mês consecutivo de quedas, apesar da subida ligeira da sessão de hoje provocada pelos dados negativos da produção industrial de abril na China. O ouro sobe 0,31% para os 1.283,82 dólares por onça.

"Os investidores financeiros não parecem ter muita fé no ouro para já", referem os analistas do Commerzbank, citados pela Bloomberg. 
O foco está agora na reunião da Reserva Federal.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI