Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Juros portugueses atingem nível mais baixo de sempre

Os juros portugueses a dez anos estão a aliviar na sessão de hoje, tendo já atingido mínimos históricos.

Mário Centeno
António Pedro Santos/Lusa
  • Assine já 1€/1 mês
  • 11
  • ...
Os juros portugueses a dez anos atingiram esta terça-feira, 19 de fevereiro, o valor mais baixo de sempre. Segundo a série histórica da Bloomberg, que começa em fevereiro de 1997, os juros portugueses nunca tinham estado nesse período abaixo dos 1,5%.

A taxa é assim a mais baixa de sempre, pois em 1997 a moeda portuguesa ainda era o escudo e nessa altura os custos de financiamento do Estado eram bem mais elevados. 

Neste momento, os juros a dez anos da dívida pública portuguesa aliviam 1,3 pontos base para os 1,501%. O mínimo atingido nesta sessão foi de 1,498%. 

Esta é já a sexta sessão seguida de descida nos juros das obrigações do Tesouro. Várias casas de investimento têm vindo a renovar as recomendações sobre a dívida portuguesa, que deverá ser uma das grandes beneficiadas do reinvestimento em dívida por parte do BCE, ao mesmo tempo que surge como uma boa aposta num período de instabilidade nos países periféricos (Espanha e Itália).


O alívio dos juros está a ser transversal a toda a Zona Euro. Em causa está a atitude mais acomodatícia por parte do Banco Central Europeu (BCE) numa altura em que a economia europeia desacelera, o que contrasta com o discurso de retirada dos estímulos que dominava a política monetária anteriormente. 

A dívida soberana da Zona Euro continua a ser impulsionada pelo discurso que está a ser adotado por vários responsáveis de política monetária do Banco Central Europeu, que apontam para um adiamento no aumento de juros na região. Ontem foi a vez de Peter Praet, o economista-chefe do BCE, indicar que a autoridade monetária poderá alterar os planos de agravar as taxas de juro caso se confirme um abrandamento pronunciado da economia da região.

Francois Villeroy de Galhau, governador do Banco de França e também membro do conselho de governadores do BCE, admitiu recentemente que o abrandamento da Zona Euro é "significativo", o que poderá levar a que a autoridade monetária mude a orientação da política monetária.

Esta é uma boa notícia para o IGCP, a agência que gere a dívida portuguesa, que vai ao mercado esta quarta-feira, 20 de fevereiro, para emitir títulos com maturidade de 3 meses (17 de maio de 2019) e 11 meses (17 de janeiro de 2020) com o objetivo de angariar entre mil e 1,25 mil milhões de euros.


(Notícia atualizada pela última vez às 10h43)
Ver comentários
Saber mais Juros portugueses obrigações dívida pública endividamento IGCP
Mais lidas
Outras Notícias