Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Prostitutas querem pagar impostos e ter segurança social

Esta é a conclusão de quatro investigadores que estudam há anos o sector e entrevistaram mais de duzentas trabalhadoras do sexo em Portugal. Prostituição já conta para o PIB.

Negócios 18 de Maio de 2015 às 09:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • 19
  • ...

As trabalhadoras do sexo querem a legalização da sua actividade, pagar impostos, descontar para a segurança social, e beneficiar como os restantes trabalhadores de direito à reforma e a baixas médicas por doença, avança o Jornal de Notícias. Estas são conclusões da investigação de Carlos Silva e Rafaela Granja, da Universidade do Minho, e de Fernando Ribeiro e Octávio Sacramento da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, que dedicaram os últimos anos ao estudo da prostituição feminina, contando com 200 entrevistas a mulheres que trabalham na rua e em casas de alterne na zona Norte do país.

 

"As mulheres (neste estudo só analisamos a prostituição feminina) querem ter direito à reforma e que a sua actividade seja considerada um trabalho com descontos para a segurança social e pagamentos de impostos. Querem, por exemplo, ter direito a baixa quando estão doentes" afirma ao jornal Carlos Silva, que continua: "querem ter quem as represente, querem trabalhar em segurança, querem ter acesso a cuidados de saúde e, sobretudo, querem acabar com o estigma de pertencerem a uma economia paralela".

 

Segundo o investigador, reformas como as que foram implementadas na Holanda, Alemanha ou Reino Unido no sentido de regulamentar a profissão são "vistas como uma conquista efectiva de direitos e como uma plataforma de novas reivindicações" que denuncia "todo um submundo que escapa ao controlo legal, sanitário e fiscal e que, ao que parece, ninguém tem vontade de resolver", apesar de ser "um fenómeno em expansão".

 

Desde o ano passado que actividades ilegais, como a prostituição, passaram a contar para o cálculo do rendimento gerado pela economia, passando a integrar as actividades contabilizadas no Produto Interno Bruto (PIB).

Ver comentários
Saber mais prostituição PIB economia paralela
Mais lidas
Outras Notícias