Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Adega de Monção antecipa pagamento de 3,4 milhões aos produtores

A maior cooperativa da região dos vinhos verdes, produtora das marcas Alvarinho Deu La Deu ou Muralhas, vai libertar a segunda tranche pelo fornecimento das uvas para “assegurar a liquidez” dos 1.600 associados.

António Larguesa alarguesa@negocios.pt 20 de Março de 2020 às 17:28
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

A Adega de Monção vai regularizar com duas semanas de antecedência o pagamento aos produtores de uvas, envolvendo uma verba a rondar os 3,4 milhões de euros, devido ao novo coronavírus e ao impacto que já está a ter na economia local.

 

A primeira tranche foi paga aos 1.600 associados na altura do Natal. Os restantes 50% costumam ser pagos na Páscoa, mas vão ser libertados mais cedo para "garantir a liquidez das famílias" da sub-região de Monção e Melgaço, que é conhecida pela produção de vinho alvarinho.

 

O presidente, Armando Fontainhas, que integra a cúpula da Comissão dos Vinhos Verdes (CVRVV), sublinha numa nota de imprensa que os produtores "merecem este esforço" numa fase de incerteza e que esta é "uma decisão fundamental para assegurar a liquidez dos associados, garantindo a sua longevidade e evitando colocar em risco as famílias da região".

 

Fundada em outubro de 1958 e conhecida pelas marcas Deu La Deu e Muralhas, a cooperativa, que em fevereiro aumentou o salário mínimo para 700 euros, recebe a produção de uma área de vinha conjunta de 1.237 hectares – a casta alvarinho representa três quartos do negócio total –, ascendendo a capacidade de produção a 6,5 milhões de garrafas por ano.

 

Com produções na ordem das 8.000 toneladas nas últimas vindimas, a faturação anual ronda os 15 milhões de euros, com o mercado português a assegurar o grosso das vendas (80%). Rússia, Estados Unidos e Reino Unido são alguns dos mercados externos mais relevantes para a Adega de Monção.

Ver comentários
Saber mais coronavírus covid-19 adega de monção vinho agricultura
Outras Notícias